Arquivo da tag: política

No meio da desgracêra, eu truco!

Por Helena Silvestre, de São Paulo (SP)

*

A melhor saída é aquela que construímos com as nossas próprias mãos.

O governo Temer acabou.

O homem arrogante ainda está sentado na cadeira. mas já não é capaz de apontar o caminho que o Brasil deve seguir. Nem ele e nem nenhum político de plantão – eleito ou candidato – tem a nossa confiança.

Escândalo após escândalo as máscaras caem por terra e ficamos frente a frente com a cara desse sistema podre que já passou da hora de acabar. Continuar lendo No meio da desgracêra, eu truco!

Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

NOTA DA PEDRA LASCADA: Quem nunca participou de assembleia esvaziada de sindicato e ouviu dos burocratas ao microfone o lamurioso e roto discurso de culpabilização dos trabalhadores “que não se mobilizam”, “que não querem nada” ou, antes, “que querem tudo de mão beijada” e que as “coisas só não vão pra frente porque a categoria não participa” e bla-bla-bla e ti-ti-ti e tro-lo-ló?… Que “a direção, coitada!, ahhh, se mata, se desdobra, se sacrifica, se isso, se aquilo”… O quê?! Você que é servidor público em SBC cansou de ouvir e até de ler tais impropérios em publicações de dirigentes burocratas? Pois é… Qualquer semelhança não é mera coincidência… Entenda esses e outros meandros  lendo o brilhante artigo de Hertz Dias, membro da Secretaria de Negros do PSTU e vocalista do grupo de rap Gíria Vermelha. [M.S.] Continuar lendo Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

Os desafios que estão postos para 2017

Por Zé Maria, metalúrgico e presidente nacional do PSTU

*

Chegou o final de 2016 e é hora de encarar os desafios que estão colocados para o próximo ano em meio à grave crise econômica e política que vive o Brasil. É preciso saber de onde estamos vindo, para melhor vislumbrarmos para onde temos de caminhar, se queremos construir uma saída para a situação que vive o país, impedindo que os custos da crise sejam, mais uma vez, atirados nas costas dos trabalhadores, trabalhadoras e do povo pobre do Brasil.

A crise econômica que assola o país, de profundidade inédita em nossa história recente, leva o grande empresariado e os governos (Federal, estaduais e municipais) a intensificarem os ataques aos direitos e ao nível de vida da classe trabalhadora e do povo pobre. Os capitalistas – banqueiros e grandes empresários – fazem isso porque dessa forma criam condições para ver crescer novamente sua margem de lucro (para eles, isso é sair da crise). E os governos fazem porque atuam, cada vez mais abertamente, como capachos dos bancos e das grandes empresas (que financiam suas campanhas e seus partidos), contra os interesses da maioria da população.

Por outro lado, foram as consequências desse quadro – o desemprego que atinge hoje mais de 20 milhões de brasileiros e brasileiras, os ataques ao seguro-desemprego, ao abono do PIS, os cortes de investimentos em saúde, educação, moradia, os ataques à aposentadoria e aos direitos trabalhistas – que levam à revolta que tem crescido a olhos vistos no interior das fábricas e nos bairros pobres dos grandes centros urbanos. É o que levou à ruptura da ampla maioria da classe trabalhadora com o governo da presidenta Dilma logo depois da sua reeleição, constituindo-se – esse fato – no elemento fundamental da crise política que se abriu no país desde aquele momento.

*

Para ler o texto na íntegra, clique aqui.

Se os tubarões fossem homens…

Se os tubarões fossem homens, eles seriam mais gentis com os peixes pequenos. Se os tubarões fossem homens, eles fariam construir resistentes caixas do mar, para os peixes pequenos com todos os tipos de alimentos dentro, tanto vegetais, quanto animais. Eles cuidariam para que as caixas tivessem água sempre renovada e adotariam todas as providências sanitárias cabíveis se por exemplo um peixinho ferisse a barbatana, imediatamente ele faria uma atadura a fim de que não morressem antes do tempo. Para que os peixinhos não ficassem tristonhos, eles dariam cá e lá uma festa aquática, pois os peixes alegres tem gosto melhor que os tristonhos.

Naturalmente também haveria escolas nas grandes caixas, nessas aulas os peixinhos aprenderiam como nadar para a goela dos tubarões. Eles aprenderiam, por exemplo a usar a geografia, a fim de encontrar os grandes tubarões, deitados preguiçosamente por aí. Aula principal seria naturalmente a formação moral dos peixinhos. Eles seriam ensinados de que o ato mais grandioso e mais belo é o sacrifício alegre de um peixinho, e que todos eles deveriam acreditar nos tubarões, sobretudo quando esses dizem que velam pelo belo futuro dos peixinhos. Se encucaria nos peixinhos que esse futuro só estaria garantido se aprendessem a obediência. Antes de tudo os peixinhos deveriam guardar-se antes de qualquer inclinação baixa, materialista, egoísta e marxista. E denunciaria imediatamente os tubarões se qualquer deles manifestasse essas inclinações.

Se os tubarões fossem homens, eles naturalmente fariam guerra entre si a fim de conquistar caixas de peixes e peixinhos estrangeiros.As guerras seriam conduzidas pelos seus próprios peixinhos. Eles ensinariam os peixinhos que, entre os peixinhos e outros tubarões existem gigantescas diferenças. Eles anunciariam que os peixinhos são reconhecidamente mudos e calam nas mais diferentes línguas, sendo assim impossível que entendam um ao outro. Cada peixinho que na guerra matasse alguns peixinhos inimigos da outra língua silenciosos, seria condecorado com uma pequena ordem das algas e receberia o título de herói.

Se os tubarões fossem homens, haveria entre eles naturalmente também uma arte, haveria belos quadros, nos quais os dentes dos tubarões seriam pintados em vistosas cores e suas goelas seriam representadas como inocentes parques de recreio, nas quais se poderia brincar magnificamente. Os teatros do fundo do mar mostrariam como os valorosos peixinhos nadam entusiasmados para as guelas dos tubarões.A música seria tão bela, tão bela, que os peixinhos sob seus acordes e a orquestra na frente, entrariam em massa para as goelas dos tubarões sonhadores e possuídos pelos mais agradáveis pensamentos. Também haveria uma religião ali.

Se os tubarões fossem homens, eles ensinariam essa religião. E só na barriga dos tubarões é que começaria verdadeiramente a vida. Ademais, se os tubarões fossem homens, também acabaria a igualdade que hoje existe entre os peixinhos, alguns deles obteriam cargos e seriam postos acima dos outros. Os que fossem um pouquinho maiores poderiam inclusive comer os menores, isso só seria agradável aos tubarões, pois eles mesmos obteriam assim mais constantemente maiores bocados para devorar. E os peixinhos maiores que deteriam os cargos valeriam pela ordem entre os peixinhos para que estes chegassem a ser, professores, oficiais, engenheiros da construção de caixas e assim por diante. Curto e grosso, só então haveria civilização no mar, se os tubarões fossem homens.

Bertol Brecht