Arquivo da tag: eleição

Eleição da junta governativa do Sindserv SBC

14 de OUTUBRO, SEXTA-FEIRA, 18h, TEATRO CACILDA BECKER!

VENHA AJUDAR A ELEGER UMA JUNTA GOVERNATIVA LIVRE DA INFLUÊNCIA DA CUT E DA CHAPATRÃO E VENHA PRESTIGIAR A SAÍDA DA DIREÇÃO GOVERNISTA DO SINDICATO.

A assembleia para eleição da JUNTA GOVERNATIVA que substituirá a direção destituída do Sindserv foi marcada para a sexta-feira, 14 de outubro, às 18h em primeira convocação e 18h30 em segunda convocação. Continuar lendo Eleição da junta governativa do Sindserv SBC

CHAPA 2: Propostas para devolver o sindicato aos servidores

Lutaremos por…

DIREITO À MELHORIA DAS CONDIÇÕES ECONÔMICAS E DE TRABALHO

 Abono na aposentadoria compensatório para o fundo de garantia;

  • Adicional noturno após as 18h;
  • Aposentadoria especial por periculosidade para GCMs e demais profissionais que exercem atividade de risco;
  • Concurso de acesso para os cargos de gestão e chefias;
  • Concurso público para recomposição do quadro de funcionários;
  • Contra o cargo largo, as funções gratificadas e cargos comissionados com altos salários;
  • Contra o desrespeito à Lei do Piso, efetivado pela administração ao determinar que professores em horário de HTP substituam ausências;
  • Contra o desvio de função e a sobrecarga de trabalho;
  • Efetivação da aposentadoria especial para todos os profissionais do quadro do magistério;
  • Elevação do piso salarial do funcionalismo;
  • Equiparação salarial efetiva, com estabelecimento de mecanismo que garanta a manutenção da equiparação;
  • Fim da terceirização e pelo reaproveitamento do quadro de profissionais terceirizados por meio de concurso que valorize o tempo de serviço prestado ao município de SBC;
  • Gratificação por insalubridade aos servidores que atuam em serviços mental e fisicamente desgastantes;
  • Gratificação por local de exercício para TODOS os servidores que atuam em áreas distantes do centro e em áreas de risco;
  • Implementação de programa de incentivo à dedicação exclusiva;
  • Implementação do PCCS-SUS;
  • Inclusão de todos os trabalhadores nos acordos coletivos;
  • Isonomia de direitos entre celetistas, estatutários e terceirizados;
  • Programa de recuperação das perdas salariais e reposição do poder aquisitivo dos servidores públicos; contra a PLP 257/2016!
  • Programa de reestruturação dos próprios públicos e reposição de instrumentos de trabalho (ferramentas, mobiliários, equipamentos de proteção individual, automóveis, materiais etc) que garanta com equidade condições dignas e saudáveis de trabalho para todos os servidores e de atendimento aos munícipes!
  • Quantidade adequada de profissionais em cada local de trabalho;
  • Reajuste anual dos vencimentos;
  • Redução da jornada de trabalho para os profissionais da saúde, auxiliares em educação e demais trabalhadores;
  • Regulamentação das horas-extras;
  • Regulamentação para cumprimento e fruição de banco de horas;
  • Respeito à composição da jornada de trabalho dos servidores;
  • Retomada da proposta de estatuto dos profissionais da educação construída pelos trabalhadores, adequando-os às necessidades atuais e novas demandas;
  • Revisão do acordo coletivo de 2015, buscando a inclusão dos cerca de 200 aposentados que foram esquecidos pela atual direção;
  • Revisão do estatuto da GCM;
  • Transporte gratuito, ou reembolso no valor equivalente ao que é gasto, ao servidor que em função do serviço tenha de se locomover de sua unidade de lotação;
  • Vale-transporte integral e vale alimentação a todos os servidores, com revisão de valores.

Continuar lendo CHAPA 2: Propostas para devolver o sindicato aos servidores

Terceira eleição do Sindserv: Desta vez é pra valer!!!

2015-09-13 09.03.15A nova eleição do Sindserv finalmente está sendo coordenada, fiscalizada e arbitrada pelo MINISTÉRIO PUBLICO DO TRABALHO que atendeu solicitações da CHAPA 2 e mediou a efetivação de um acordo que desta vez garante condições minimamente democráticas, de lisura e transparência no processo eleitoral. O objetivo é impedir ao máximo as trapassas, golpes e fraudes das eleições anteriores.

A Justiça está fazendo a parte dela; a CHAPA 2 também, apresentando propostas coerentes e candidatos combativos, comprometidos com os direitos da categoria e provados nas diversas lutas do funcionalismo de SBC. Continuar lendo Terceira eleição do Sindserv: Desta vez é pra valer!!!

É HOJE!!! 18H30 NA SEDE DO SINDICATO: ASSEMBLEIA DE ELEIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL

O compromisso e a vontade dos trabalhadores nas duas primeiras eleições foram determinantes para que chegássemos até aqui. Mas, somente a mobilização da categoria unida e organizada impedirá novos golpes e garantirá que se concretize o desejo de mudança manifestado pela categoria..

A primeira tarefa de todos os que lutam para que o sindicato saia do controle do governo e retorne para o controle dos trabalhadores é participar da assembleia de eleição da comissão eleitoral. Precisamos eleger representantes comprometidos com a democracia a lisura e a transparência do novo processo eleitoral.

Novamente contamos com o empenho de todos que desejam mudanças, pois cada voto na OPOSIÇÃO UNFICADA – CHAPA 2 é um voto para resgatar o sindicato para  as mãos dos trabalhadores.

Participe da assembleia, convoque seus colegas, mobilize-se e ajude a OPOSIÇÃO UNIFICADA a construir um sindicato de luta, democrático, independente de governos, partidos e de centrais sindicais pelegas e governistas!!!

Sobre golpes e sabotagens

Por CláuClaudio Lizias Sriubasdio Lizias Sriubas –  Professor e integrante da CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA

Nesta terra em se plantando tudo dá” . – Pero Vaz de Caminha sabia das coisas!…

A Oposição Unificada não foi criada apenas para participar de um pleito eleitoral, ela constituiu-se  por uma necessidade de luta, e ao longo dos últimos anos vem lutando como oposição à corruptibilidade e em defesa do interesse do Servidor Público do Município de São Bernardo do Campo. Tem plantado esperança e quer colher realizações.

Pergunto: o que tem plantado a atual diretoria do SINDSERV? Perdão! Quero dizer: Chapa Um? … … Calma, isto que você pensou durante as reticencias é pura verdade, mas não é legal declarar aqui. Baixar o nível ou detrair não é nossa especialidade.

Mas por falar em sonhos… Que pesadelo, hem! …. Ou melhor, mais um pesadelo. Este começa com: Era uma vez… Engana bem, parece um conto de fadas, tem até magia, veja só que emocionante, do nada… Repentinamente dá entre as folhas da listagem de votação uma fraude…

A meu ver é um erro chamar de fraude… acho que a terminologia correta é sabotagem, eu explico:

Fraude ocorre durante o processo… e veja só que interessante, o pleito foi finalizado com a checagem das listas de votação e contagem dos votos, na presença da comissão eleitoral, Coordenador do Processo Eleitoral, Chapa Um, Chapa Dois, fiscais, mesários, apoiadores e advogados das partes. Nada… Absolutamente nada foi notado de irregular que pudesse comprometer o seu voto, tudo devidamente filmado (será que a comissão eleitoral e o coordenador do processo eleitoral esqueceram de olhar as filmagens? Pode ter sido ingenuidade? … o quê? …. Você não chama isso de ingenuidade? … do que você chama então? … isto que você chamou não da para grafar aqui não! É muito imoral… vamos ficar com ingenuidade)…

Bom voltemos ao fato, na semana depois de encerrado o processo (que legitimamente elegeu os integrantes da Chapa Dois como representante dos Funcionários Públicos do Município de São Bernardo do Campo), os documentos que estavam guardados pela Chapa Um…. Desculpe, cometi um equívoco, estavam na tutela da atual diretoria do SINDSERV e comissão eleitoral… O equívoco é natural visto que a maioria dos integrantes da atual diretoria também compõe a Chapa Um e o Coordenador do Processo Eleitoral é candidato a presidente da diretoria pela Chapa Um… A gente acaba se equivocando… Bom, a verdade é que após nova averiguação a estes documentos, milagrosamente brotou uma “fraude”.

Como aconteceu depois do encerramento do processo, eu pergunto: é fraude ou sabotagem?…

Não é nítido e perceptível o que esta “fraude” quer dizer a você que votou… Era uma vez sua vontade … É ou não é um conto de terror?…

Vamos reverter este terror? Vamos mostrar com nosso voto, o nosso grito de basta, que não aceitamos sabotagem, opa, perdão, como que eles chamam essa coisa mesmo… “fraude”. Que vamos plantar nossos sonhos e esperança em uma nova direção… a direção da moralidade ética e respeito.

Contra o golpe: Daremos o troco nas urnas!

O cumprimento do acordo salarial da greve está ameaçado: só um sindicato independente do governo pode lutar pelos trabalhadores

Segundo dados oficiais, as contas da prefeitura de São Bernardo estão com um rombo de 1,2 Bilhões, o que representa claramente uma ameaça ao cumprimento do acordo da greve deste ano. Pelos setores, ventilam-se boatos de que há sérios riscos de que até o pagamento das férias e do décimo terceiro podem ser afetado. Marinho não pensará duas vezes entre não pagar o salário dos servidores e gastar com propaganda e com as “obras” para que seu partido ganhe as eleições municipais do ano que vem. O prefeito gastou somente com vídeos de publicidade 1 milhão de reais!!!

Marinho precisa que seus partidários estejam no sindicato para continuar com essa gestão contra os servidores e tentar impedir que os trabalhadores se levantem contra esse possível ataque. Com a turma do Chagas, à frente do sindicato colocando em primeiro lugar seus próprios interesses, como sempre fizeram, Marinho terá mais facilidade em continuar implementado suas políticas antitrabalhadores e antipovo de desmonte, de terceirização e sucateamento do serviço púbico.

Mais do que nunca, para organizar a categoria nas lutas que virão os servidores públicos precisam de uma direção combativa, independente de governos e de centrais sindicais governistas e pelegas e que não submeta o sindicato a interesses político-partidários. Precisamos de um sindicato que não seja aliado do governo e sim dos servidores.

Quem é partidário de Marinho não enfrentará o governo em defesa do servidor!

Os trabalhadores não querem golpe e vão derrotar o governismo nas urnas novamente!

Teremos novas eleições para o Sindserv nos dias 26 e 27 de novembro; isso porque a atual diretoria não aceita a decisão da categoria e apela para o tapetão. Não mediremos esforços para derrotar esse golpe, inclusive nas novas eleições, com as quais não concordamos.  Trata-se de uma tentativa desesperada de manter o sindicato sob o controle dos governistas. Por isso continuamos apresentando uma alternativa independente e de luta – a Oposição Unificada – quantas vezes for preciso até que finalmente sejam derrotados o governismo, a burocracia e o atrelamento a centrais sindicais pelegas que tanto atrapalham a vida, os direitos e as conquistas dos trabalhadores.

Assim como a absoluta maioria dos servidores públicos, não aceitamos esse golpe, muito menos as calúnias e acusações sem provas que a chapa da atual diretoria vem fazendo numa atitude sórdida típica daqueles que preferem perder o apoio de toda a categoria para usar o sindicato para promoção de seus egos e projetos político-partidários eleitorais.

Se houve algum erro nas eleições, a responsabilidade é daqueles que controlaram todo o processo eleitoral, conduzindo-o de forma antidemocrática e sem transparência.

É bom lembrar que durante a eleição e também na apuração dos votos, o atual presidente e a CUT reafirmaram a legitimidade do processo eleitoral e a vitória da CHAPA 2, mas, após levarem um puxão de orelha do prefeito por terem perdido as eleições (conforme indica matéria do DGAC de 21 de outubro), manobraram para anular o pleito e mais uma vez passar por cima da vontade dos trabalhadores.

Sabemos que a categoria mais do que nunca rechaça a chapa 1 por suas manobras e por representar os interesses do Marinho dentro do Sindserv, e que até vários trabalhadores que não votaram das últimas eleições apoiarão a Oposição Unificada em repúdio ao golpe descarado.

A categoria, que votou pela mudança, não se deixa enganar com as calúnias feitas pela chapa governista

Mais de 3 MIL servidores públicos assinaram o abaixo-assinado reconhecendo a legitimidade da eleição da CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA – isso tudo em meio a uma intensa campanha de difamação promovida pela chapa derrotada, que dando continuidade ao golpismo tenta desqualificar a decisão dos trabalhadores e nos associar a supostos atos ilícitos que não poderiam ser praticados por quem não controlou o processo eleitoral.

A assembleia da comissão eleitoral, no último dia 27, mostrou que a categoria está disposta a dar o troco ao golpe da atual diretoria. A mobilização foi grande para impedir que a turma do Chagas controlasse todo o processo. O presidente do sindicato ficou com medo de contar os votos e acumular mais essa derrota, mas com a nossa presença em grande número, conseguimos que houvesse dois membros com direito a voto que não são ligados à atual diretoria e que estão dispostos a fazer uma eleição limpa.

A CHAPA 2 conta com o apoio de lutadores independentes de todo o país

No país todo há vários sindicatos e oposições que são contra sindicatos atrelados aos governos e partidos, e que lutam contra o domínio da CUT e outras centrais pelegas.

Não estamos sozinhos nesta luta: o empenho dos servidores públicos de SBC, a unidade com trabalhadores de outros setores e o apoio de sindicatos combativos e independentes de governos é essencial para que seja possível derrotar a CUT!

A CSP-Conlutas e a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora apoiam a CHAPA 2 porque são centrais sindicais comprometidas com os interesses dos trabalhadores e são independentes de governos. Temos orgulho de sermos apoiados por lutadores independentes, honestos e experientes na luta contra a máquina governista.  Já a CUT, que apoia a chapa da atual diretoria, é a central do Marinho. O prefeito e carrasco dos servidores em SBC foi presidente da CUT recentemente e, segundo matéria publicada no DGABC, foi quem “orientou de maneira incisiva (…) Giovani Chagas (PT), a tentar reverter a derrota na eleição” do Sindserv.

Precisamos ir às urnas novamente e derrotar mais uma vez a governista chapa 1 e dar um basta às interferências do prefeito no nosso sindicato!

PROPOSTAS DA CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA

Uma direção sindical não deve se portar como dona e mandatária do sindicato, mas sim assumir sua função de representar e organizar os servidores públicos, que devem ter o controle e a decisão sobre os rumos do Sindserv.

Neste sentido nossas propostas sustentam-se em dois grandes eixos: 1. Democratização do sindicato/ horizontalização da estrutura sindical; 2. Lutas econômicas/ valorização profissional e melhoria das condições estruturais e de relações de trabalho.

Conheça nossas propostas e nossos integrantes acessando o BLOG da CHAPA 2:

https://oposicaounificadachapa2.wordpress.com/programa/

https://oposicaounificadachapa2.wordpress.com/composicao-da-chapa-2/

De Goebbels a Mr. M

Após  levar um puxão de orelha do Marinho e forjar factoides para justificar a anulação da decisão legítima dos servidores públicos que elegeram a Chapa 2, a atual direção e sua chapa governista segue o sórdido lema do Joseph Goebbels de dizer mentiras mil vezes até que as pessoas passem a acreditar que sejam verdade.

Esse tipo de golpe vem ocorrendo em vários sindicatos em que a CUT perdeu a direção. 

Alegar fraude num processo exclusivamente conduzido e controlado pela própria chapa 1 é má fé, e mostra da mais pura incompetência. 

Sugerir que a suposta fraude foi realizada pela chapa 2, ou em benefício dela, é de uma atitude imoral, injuriosa e de maucaratismo total.

A categoria tem rechaçado de forma veemente o golpe da direção governista e, em menos de sete dias, mais de 3 mil servidores públicos assinaram abaixo assinado contra o golpe e em defesa da posse da chapa 2. 

Para melhor compreensão de como ocorreu o golpe e como após a apuração encerrada, como se fosse num passe de mágica digno de Mister M, apareceram as supostas fraudes:

https://oposicaounificadachapa2.wordpress.com

Como se construiu o golpe da direção do sindicato e sua chapa 1 contra os trabalhadores – Parte 3

Do blog da OPOSIÇÃO UNFICADA – CHAPA 2: http://oposicaounificadasbc.blogspot.com.br/

*

Nas duas primeiras partes deste elucidativo artigo, comprovamos que:

a) A Comissão Eleitoral indicada pela chapa governista não era neutra, pois foi composta integralmente por pessoas indicadas pela chapa governista, agindo conforme os interesses de quem a indicou;
b) A Comissão Eleitoral inicialmente recusava-se a registrar em ata as observações e protestos feitos pela representante da CHAPA 2. Desta forma, na maioria das atas registrava-se unicamente o que interessava à chapa que havia indicado a Comissão Eleitoral. Esta situação só começou a mudar – e não mudou completamente – após mediação do Ministério Púbico do Trabalho;
c) O processo eleitoral em curso – e agora reeditado – não foi democrático, posto que foi controlado, conduzido e coordenado por pessoas ligadas à chapa derrotada na eleição, o que torna impossível haver qualquer possibilidade de cometimento de irregularidades pela CHAPA 2, muito menos em nosso benefício.
Vimos também que, enquanto tinham a certeza da vitória e pouco depois no fim da apuração, tanto a Comissão Eleitoral indicada pela chapa 1, como a própria chapa 1 por meio de sua representante, o presidente do Sindserv SBC (candidato à reeleição e ao mesmo tempo coordenador geral do processo eleitoral), o presidente da apuração, os mesários e presidentes de mesa – todos eles vinculados à atual diretoria do sindicato – atestaram a lisura do processo eleitoral e reconheceram a legitimidade da vitória da CHAPA 2.
Encerramos o artigo anterior com as seguintes perguntas:
a) Se o processo de coleta de votos transcorreu em “rigorosa obediência” ao Estatuto do Sindicato conforme atestaram, se as únicas ocorrências registradas (e registradas pela CHAPA 2!) diziam respeito ao não cumprimento de horários e dos roteiros previstos, como pode posteriormente a chapa derrotada e seu presidente-candidato-à-reeleição alegar, juntamente com sua Comissão Eleitoral, irregularidades num processo eleitoral absolutamente coordenado, conduzido e controlado por eles mesmos?
*
A este respeito, vejamos o que diz matéria publicada em 21 de outubro no Diário do Grande ABC:
*
b) Mas, então, como se produziu a suposta fraude que até a apuração simplesmente não existia?
De uma coisa nós, da OPOSIÇÃO UNIFICADA, sabemos – e a categoria não tem dúvida: se houve irregularidades elas não foram cometidas pela CHAPA 2. Até mesmo porque todo o controle da eleição e a guarda da documentação eleitoral estiveram sob o domínio da chapa governista…
*
1. Após a apuração dos votos e lavrada a ata que legitimou a vitória da CHAPA 2, toda a documentação eleitoral ficou sob a guarda da Comissão Eleitoral, no sindicato (em uma sala cujo acesso não estava devidamente lacrado). A comissão eleitoral indicada pela chapa 1 permitiu que Nilton Ferreira, membro da direção atual e da chapa derrotada, olhasse as listas de votação sem a presença de toda a comissão eleitoral e sem o conhecimento prévio da representante da Oposição Unificada, que só foi convocada quando já havia sido violado o material eleitoral.
*
Observe que apesar de usar o artigo 129 como justificativa para atender solicitação de vistas à documentação eleitoral, a Comissão Eleitoral procedeu de forma arbitrária extrapolando suas atribuições, pois não há previsão estatutária nem em relação à vistas posteriores nem em relação à “diligências”. O artigo 129 trata da interposição de recursos, cujos “documentos de prova” devem ser anexados ao recurso inteposto, no ato da entrega, e não posteriormente.
*
2. Não é verdade que a representante da CHAPA 2 concordou com o factoide armado pela chapa 1. Sempre que esteve nas reuniões, nossa representante protestou e deixou claro os nossos posicionamentos, como mostra esse trecho da ata do dia 2 de outubro.
*
*
  1. O golpe é escancarado: mesmo reconhecendo ser “IMPOSSÍVEL constatar a exatidão de todas ocorrências”, a Comissão Eleitoral decide anular a eleição. De todas as ligações realizadas, alega que 14 eleitores disseram que não votaram – somente 6 compareceram e não reconheceram as assinaturas. A conferência dos 3 nomes abaixo e 3 nomes acima não foi efetivamente realizada, impossibilitando confirmar a suposta fraude (se bem que a documentação eleitoral estava viciada por conta de sua violação e manipulação). Não se constatou falsificação de assinaturas, apenas que haviam algumas assinaturas em local diverso (se a pessoa assinou em local indevido, isso ocorreu sob anuência do coordenador de mesa – indicado pela comissão eleitoral – que como vimos não apontou nenhuma ocorrência na coleta de votos e assinaturas). Beneficiando a chapa 1 que a indicou, a Comissão Eleitoral anulou a eleição sem comprovar a exatidão das ocorrências e sem indicar quem seriam os eventuais autores da suposta fraude que teria ocorrido num processo sob seu exclusivo controle.
*
*
  1. Chegando ao fim desta etapa, e comprovando a verdade dos fatos por meio da ampla e concreta apresentação de documentos, fica claro o porquê chamamos de golpe as ações autoritárias e antissindicais praticadas pela direção do sindicato, sua chapa e sua comissão eleitoral, golpe este levado a cabo com a anulação da eleição legítima da CHAPA 2.

A CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA entrou com processo no judiciário para tentar derrubar o golpe e garantir o respeito à decisão democrática dos trabalhadores.

Os trabalhadores, por sua vez, fartos das manobras e dos prejudiciais acordos de gabinete da direção sindical com o governo, demonstram cada vez mais apoio à CHAPA 2 e rechaçam as mentiras e calúnias produzidas pela chapa do Marinho.

Exigindo respeito ao processo eleitoral e reiterando a legitimidade da vitória da CHAPA 2, MAIS DE 3 MIL SERVIDORES PÚBLICOS ASSINARAM O ABAIXO-ASSINADO EM NOSSO APOIO!!!

A ampla mobilização dos trabalhadores garantiu que, desta vez, 02 servidores públicos independentes da influência da chapa marinheira fossem eleitos para a Comissão Eleitoral. E teríamos eleito a maioria, não fossem as manobras realizadas pela direção do sindicato na última assembleia.

Agora, com a força e a unidade da categoria, com o apoio de sindicatos e de centrais sindicais combativas e independentes de governos,  vamos novamente trabalhar para derrotar nas urnas nos dias 26 e 27 de novembro, mais uma vez e tantas quantas for necessário, a chapa aliada do prefeito e as centrais sindicais pelegas e governistas!

Por um Sindserv indepente de governos, partidos e centrais sindicais pelegas e governistas!!!

 

 

OPOSIÇÃO UNIFICADA: ALTERNATIVA DEMOCRÁTICA.

NADA SERÁ COMO ANTES! 

*

Para quem não leu os artigos anteiores:

Parte 1:

http://oposicaounificadasbc.blogspot.com.br/2015/10/como-se-construiu-o-golpe-da-direcao-do.html

Parte 2:

http://oposicaounificadasbc.blogspot.com.br/2015/11/como-se-construiu-o-golpe-da-direcao-do.html

*

Veja o vídeo em que o presidente do Sindserv reconhece a legitimidade da vitória da CHAPA 2:

https://pedralascada.org/2015/10/07/carta-aberta-aos-membros-da-chapa-1-seus-apoiadores-e-simpatizantes/

*

Para entender que o golpe em SBC não é um caso isolado e faz parte de uma política da CUT:

http://cspconlutas.org.br/2015/11/secretaria-executiva-nacional-da-csp-conlutas-aprova-campanha-contra-golpismo-da-cut-em-eleicoes-sindicais/

Como se construiu o golpe da direção do sindicato e sua chapa 1 contra os trabalhadores – Parte 2

Do blog da CHAPA 2 – Oposição Unificada
http://oposicaounificadasbc.blogspot.com.br/2015/11/como-se-construiu-o-golpe-da-direcao-do.html

*

PARTE 2 –  TENTATIVA DE OMISSÃO DAS MANOBRAS DENUNCIADAS PELA CATEGORIA E APRESENTADOS PELA CHAPA 2 E RECONHECIMENTO DA LEGITIMIDADE DO RESULTADO DAS ELEIÇÕES.
1.A apuração dos votos foi toda controlada pela chapa 1, por meio dos mesários e coordenadores de mesa indicados pela Comissão Eleitoral que, como vimos anteriormente, foi toda indicada pela chapa 1 num processo coordenado pelo presidente do sindicato e candidato à reeleição pela chapa governista. Os coordenadores de mesa definiram trajetos das urnas à revelia do percurso publicado criando dificuldades para coletar votos nos locais em que a chapa 1 considerava que eram predominantemente constituídos por simpatizantes da chapa da Oposição.
Tais manobras foram denunciadas por dezenas de servidores públicos, por meio de e-mails encaminhados ao sindicato com cópia para o e-mail da Oposição Unificada. Mantendo a luta pela garantia de democracia, lisura e transparência na eleição, a CHAPA 2 registrou estas ocorrências já no primeiro dia de votação:
*
A CHAPA 2 teve que protocolar as ocorrências em documento à parte da ata elaborada pela Comissão Eleitoral, pois a Comissão Eleitoral se recusou a registrar em ata as denúncias apresentadas.
*
*
2. No dia da apuração todas as listas foram conferidas pelos mesários e coordenadores de mesa, além dos advogados contratados pela chapa 1, e no final da apuração foi  lavrada uma ata de 13 páginas detalhando o processo de coleta de votos urna por urna, sem qualquer registro de ocorrências por parte dos coordenadores/ presidentes de mesa (todos indicados pela Comissão Eleitoral indicada pela chapa 1), que durante o processo de votação ficaram de posse das listagens e foram responsáveis por conferir as assinaturas dos eleitores. Nesta ata, a Comissão Eleitoral, assim como o próprio Chagas e o presidente da apuração legitimam a vitória da chapa 2, atestando que o processo ocorreu sem problemas.
*
*
3. É interessante observar que, enquanto tinham a certeza da vitória (certeza esta evidenciada nas palavras de ordem e cantos de vitória entoados por membros e simpatizantes da chapa governista até minutos antes do resultado final da apuração), e depois ainda sob o efeito do impacto da derrota inesperada, tanto a Comissão Eleitoral indicada pela chapa 1, como a própria chapa 1, o presidente do Sindserv SBC, o presidente da apuração, os mesários e presidentes de mesa – todos eles vinculados à atual diretoria do sindicato – atestaram a lisura do processo eleitoral.
Mas, então, se o processo de coleta de votos transcorreu em “rigorosa obediência” ao Estatuto do Sindicato conforme atestaram, se as únicas ocorrências registradas (e registradas pela CHAPA 2!) diziam respeito ao não cumprimento de horários e dos roteiros previstos, como pode posteriormente a chapa derrotada e seu presidente-candidato-à-reeleição alegar, juntamente com sua Comissão Eleitoral, irregularidades num processo eleitoral absolutamente coordenado, conduzido e controlado por eles mesmos?
Em outras palavras, como se produziu a suposta fraude que até a apuração simplesmente não existia?
É  que veremos na próxima e última parte desta famigerada história que se configura em verdadeiro golpe da direção do Sindserv contra os servidores públicos.