Arquivo da categoria: Movimento

Manifesto: Somos Todos Educadores!

Do blogue Somos Todos Educadores

*

Professor, membro da equipe gestora, auxiliar em educação, oficial de escola, inspetor de alunos, porteiro, zelador escolar, auxiliar de limpeza, cozinheiro, profissional das equipes técnicas (orientador pedagógico, fono, psico, fisio etc)… Todos que trabalhamos nas escolas, envolvidos diretamente no processo de ensino ou em seu apoio e viabilização, somos responsáveis pela qualidade da educação das crianças, jovens e adultos usuários das redes de ensino.

Na efetivação do trabalho dos professores, das professoras, viabilizado e apoiado pelos demais trabalhadores e trabalhadoras da educação escolar, o ensino se concretiza; mais que isso, o processo educativo se complementa na relação e nos cuidados que cada profissional da educação estabelece entre si, com as famílias e com os educandos.

Ensinar, educar e cuidar são indissociáveis, pois fazem parte de um mesmo processo, que é o da formação dos seres humanos para a vida em sociedade. Neste sentido, independente do nosso cargo, no trabalho escolar exercemos função inerentemente educativa.

SOMOS TODOS EDUCADORES – e como educadores que somos, comprometidos com a qualidade da educação, lutamos por melhores condições de trabalho e de aprendizagem, pelo direito de todos à valorização profissional, à salários dignos e condizentes com nossas responsabilidades educativas, à formação em serviço, por planos de carreira que possibilitem concretamente a todos educadores, a todas educadoras, evolução funcional e salarial.

Este espaço virtual se apresenta como uma ferramenta dessa luta, contra o processo de desmonte da educação pública levado à cabo pelos governos federal, estaduais e municipais que ano após ano diminuem os investimentos em educação, impõem retrocessos aos currículos, retiram direitos dos trabalhadores, privatizam e terceirizam o serviço público.

NENHUM PROFISSIONAL FORA! NENHUM DIREITO A MENOS! SOMOS TODOS EDUCADORES!!

Encarceramento de negros (as) e criminalização das lutas são temas de debate no Capão Redondo

Do sítio da CSP-Conlutas

*

A mesa de debate sobre encarceramento em massa e criminalização do povo negro, realizada no último sábado (22), contou com um rico debate, com reflexões acerca do que representa ser negro no Brasil, fazendo referência à prisão de Rafael Braga, no Rio de Janeiro.  A atividade foi promovida pelo Quilombo Raça e Classe, movimento cultural O3 e o Luta Popular, que escolheram a periferia da zona sul, o bairro de Capão Redondo, para esse importante bate-papo.

Os palestrantes Avanilson Araújo, do Luta Popular, Hertz Dias, do Movimento O3, Shirley Raposo do Quilombo Raça e Classe, e a mediadora de Claudicéa Durans, embasaram suas falas com estatísticas alarmantes.

Adriana Braga, mãe de Rafael, que estaria presente no evento para divulgar a campanha pela liberdade do filho, não pode participar, em razão de uma série de problemas com logística e a dificuldade em encontrar quem ficasse com os outros cinco filhos.

Um dos integrantes do Comitê Pela Liberdade de Rafael Braga, Ilídio José Wenceslau Filho, trouxe um vídeo com uma saudação de Adriana agradecendo a atividade e a campanha em torno da soltura de seu filho.

Rafael, de 25 anos, foi o único preso nas jornadas de junho de 2013. Foi condenado no dia 20 de abril de 2017, a 11 anos de prisão, por tráfico e associação criminosa, mesmo alegando inocência. Em 2013, foi acusado de portar material explosivo, quando levava apenas dois frascos lacrados de produto de limpeza.

“Adriana está sofrendo assim como milhares de mulheres que, quando não são encarceradas, são as que têm seus filhos ou companheiros encarcerados e são elas que fazem visita aos presídios, com revistas vexatórias, entre outros constrangimentos”, salientou Claudicéa Durans ao abrir a mesa de debate.

Para compreender o aspecto da criminalização no país, o integrante do Luta Popular usou o caso de Rafael para pontuar a diferença no tratamento de sua prisão em comparação com alguns políticos condenados no país por crimes de corrupção.

“Entre Lula e Rafael Braga há uma diferença muito importante. Rafael Braga, para nós, é um preso político, no entanto, Lula é um político que ainda não foi preso. São diferenças importantes para entendermos a localização de cada um”, disse Avana, completando “como você explica que um ex-operário teve penhorado de sua de previdência privada 9 milhões de reais. Se é um preso político, é em condições bem mais favoráveis que a de Rafael Braga”, salientou.

Sobre a suposta ameaça à democracia levantada por quem defende Lula, Avana apresentou o levantamento que revela que, entre 2005 e 2015, morreram no Brasil 348 mil jovens de 18 a 29 anos. Desses, 70% eram negros. “Como é que a democracia não estava ameaçada nesse período?”, questionou.

Segundo o dossiê sobre a criminalização da pobreza elaborado pelo Luta Popular e apresentado por Avana, foram nos governos de Lula e Dilma que se intensificaram os processos da aprovação leis que são aplicadas contra os trabalhadores. “Em 2007, um decreto de Lula criou a Força Nacional de Segurança, que criminalizou greves de operários em Jirau. Em 2013, no governo de Dilma, foi criada a lei da Organização Criminosa, em que Rafael Braga foi enquadrado”, explicou.

Encarceramento em massa

O Brasil é o terceiro país em número de presos no mundo. Em 2014, quando foi feito o último censo penitenciário no Brasil, 62% da população carcerária é de negros e pardos.

Avana reforçou ainda a criminalização contra os movimentos organizados, que se mobilizam contra a retirada de direitos, e que agora podem ser enquadrados na lei antiterror. “Esse processo só acontece porque há uma resistência profunda, um levante contra esse tipo de situação, há uma reação dos de baixo que só tem uma forma de ser contida na luta de classe, uma delas é através de leis como essa”, disse.

A privatização do sistema carcerário foi abordada por Hertz como outra faceta de aprofundamento da crise carcerária no país. “Existe uma experiência sobre privatização apresentada por uma deputada em Minas Gerais. O contrato da empresa que ganhou a licitação tem uma cláusula que diz o seguinte, que tem que ter um percentual de ocupação das celas, e o estado teria que cumprir isso. Isso significa então, vamos supor, que se em Minas Gerais diminuísse o numero de crimes, o governo ia ter que encontrar uma forma de prender as pessoas para cumprir com a cláusula que está colocada na licitação. Os presos se transformam em mercadoria”, denunciou.

O militante fez todo um contexto histórico desde a escravidão dos negros até a chamada escravidão moderna, em que ainda são submetidos.

Mulheres encarceradas

A militante do Quilombo Raça e Classe, Shirley, trouxe dados sobre as mulheres encarceradas no país. Entre eles, o que indica aumento de 600% de prisões de mulheres. Fazendo o recorte de raça e gênero, ela salientou que desse número, 68% são de mulheres negras. “Esses dados remetem à falta de políticas públicas e reparação, que não tivemos em governo algum”, argumentou.

Shirley reforçou a importância de espaços como aqueles para debater esses temas. “É necessário que continuemos atuando e nos mobilizando contra o encarceramento da população negra e eu acho que não é só para causar comoção, eu acho que tem que ser até a liberdade de Rafael Braga, até a liberdade dos nossos que estão presos”, finalizou.

O microfone foi aberto para que todos pudessem participar, quando complementaram com exemplos pessoais a luta contra o racismo existente no Brasil.

Pela liberdade de Rafael Braga

Como parte da campanha pela liberdade de Rafael Braga, que também é de ajuda financeira para sua família, foi repassado uma “sacola” para que as pessoas pudessem contribuir com sua família.

A frase de Ângela Davis, ativista dos Panteras Negras, que lutou e segue se mobilizando contra o racismo institucional e contra o encarceramento em massa, serviu para um cartaz de divulgação do evento: “O sistema carcerário torna natural a violência decretada contra as minorias raciais ao institucionalizar uma lógica viciosa: os negros estão presos porque são criminosos; eles são criminosos porque são negros, e, se eles estão presos, é porque merecem”.

Rafael é um preso político do governo Dilma/Cabral, condenado no governo Temer/Pezão.

Show

Após o debate, o show ficou por conta da apresentação dos  grupos de hip-hop MC’s Psico & Quebrada, Welligton ZN, Americano Fiduhenrique, MC FANI, Hertz Dias – Gíria Vermelha, Mano Yo-P, SJ,  que esquentaram a noite e animaram a plateia, com letras poderosas que denunciavam o capitalismo, o racismo, a criminalização das lutas e o encarceramento em massa.

Movimento Olga Benário ocupa casa abandonada para exigir que seja transformada numa Casa de Referência para Mulheres. Apoie essa luta!

NOTA DA PEDRA LASCADA: Com informações da página do Movimento de Mulheres Olga Benário – SP no Facebook

*

IMG-20170725-WA0009

O Movimento de Mulheres Olga Benário, realizou a ocupação de uma casa abandonada para a construção de uma Casa de Referências para Mulheres na cidade de Mauá.

A vida das mulheres no sistema em que vivemos está cada vez pior, com índices de violência e estupro que só aumentam, principalmente das mulheres negras. Por esse motivo e para defender a vida das mulheres foi organizada a ocupação, que foi nomeada de *Helenira Preta* em homenagem à Helenira Resende, mulher negra assassinada e desaparecida pela ditadura militar.

Precisamos de sua ajuda para essa luta ser vitoriosa!

*COMO POSSO AJUDAR A OCUPAÇÃO?*

DIVULGUE
Quanto mais pessoas souberem dessa luta mais força teremos para resistir.

Compartilhe no whats app essa mensagem.

Compartilhe no Facebook os post da página Movimento de Mulheres Olga Benário – SP.
O apoio popular é muito importante para não sermos despejadas!

VISITE
Visite nossa ocupação para entender nossa luta e dar vida a casa.
O endereço é Rua Governador Mário Covas em Mauá, enfrente a Praça 22 de Novembro, perto da estação de trem e terminal de ônibus de Mauá.

TRAGA MANTIMENTOS
A casa não tem recursos mínimos e necessitamos de doações.

Para cozinha:
Água
Caneca
Coador de café
Garrafa térmica
Sal
Margarina
Mistura
Molho de tomate
Cebola
Alho
Fósforo

Para casa e limpeza:
Vela
Lanterna
Fios elétricos
Lâmpada

CONTRIBUA FINANCEIRAMENTE
Traga contribuições financeiras ou deposite na conta de apoio:

Caixa Econômica Federal
Agência 0163
Operação 013
Conta corrente 125065-4

REALIZE ATIVIDADES
Nos ajude realizando atividades culturais, de lazer, oficinas e debates, quanto mais mobilização melhor pra nossa luta!

AJUDE NESSA LUTA
Ela é de todas e todos nós, é por uma sociedade mais justa e igualitária, é pela vida das mulheres.

#HeleniraPretaVive
#OcupacaoHeleniraPreta

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

*Todas as imagens e textos extraídos do perfil do Movimento de Mulheres Olga Benário – SP no Facebook

No meio da desgracêra, eu truco!

Por Helena Silvestre, de São Paulo (SP)

*

A melhor saída é aquela que construímos com as nossas próprias mãos.

O governo Temer acabou.

O homem arrogante ainda está sentado na cadeira. mas já não é capaz de apontar o caminho que o Brasil deve seguir. Nem ele e nem nenhum político de plantão – eleito ou candidato – tem a nossa confiança.

Escândalo após escândalo as máscaras caem por terra e ficamos frente a frente com a cara desse sistema podre que já passou da hora de acabar. Continuar lendo No meio da desgracêra, eu truco!

Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

NOTA DA PEDRA LASCADA: Quem nunca participou de assembleia esvaziada de sindicato e ouviu dos burocratas ao microfone o lamurioso e roto discurso de culpabilização dos trabalhadores “que não se mobilizam”, “que não querem nada” ou, antes, “que querem tudo de mão beijada” e que as “coisas só não vão pra frente porque a categoria não participa” e bla-bla-bla e ti-ti-ti e tro-lo-ló?… Que “a direção, coitada!, ahhh, se mata, se desdobra, se sacrifica, se isso, se aquilo”… O quê?! Você que é servidor público em SBC cansou de ouvir e até de ler tais impropérios em publicações de dirigentes burocratas? Pois é… Qualquer semelhança não é mera coincidência… Entenda esses e outros meandros  lendo o brilhante artigo de Hertz Dias, membro da Secretaria de Negros do PSTU e vocalista do grupo de rap Gíria Vermelha. [M.S.] Continuar lendo Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

Sobre reformas, lados e luta por direitos

Não acredito que os cidadãos comuns que eu conheço sejam realmente a favor das reformas como estão. E me preocupa quando demonstram desconhecerem os textos das reformas, criminalizando aqueles que não se rendem como eles e vão às ruas dizer “assim do jeito que está não queremos!”. Digo isso porque não vi nenhum argumento favorável às reformas que não fosse o fim das “mamatas” dos sindicatos.

É por desinformação que os impede de entender que somos contrários à reforma trabalhista, à reforma da previdência e à lei da terceirização irrestrita da forma como estão propostas? Será que estes que apenas reproduzem os gritos de movimentos como o MBL e o Vem pra Rua sabem que a tal reforma trabalhista que eles dizem que acaba com a “boquinha” dos sindicatos tem cerca de 100 alterações na CLT? Será que sabem que, ao contrário deles que dizem “a culpa do Temer estar lá é de quem votou no PT”, o MBL, o Vem pra Rua e o partido queridinho deles fecha com o Temer, por princípios afins, não como falta de opção, por acreditarem no seu modo de vender os brasileiros e de fazer política? Aliás, quanta infantilidade apoiar o Temer só pra se vingar de petistas… E se acham muito melhores que estes…

Reformas são necessárias e urgentes. A reforma política deveria ser a primeira. Por que não estamos discutindo esta? Porque temos uma economia para “recuperar”, será o seu argumento?! Mantendo bandidos no poder, independente de quantas investigações sejam feitas, de quantas condenações se efetivem, acreditando que a cada 2 anos escolheremos, entre os bandidos, aquele que “rouba, mas faz” ou aquele que “é rico e não precisa roubar nem governar para todos os cidadãos” ou aquele que acha que todos os problemas do país se resolvem colocando uma arma na mão de cada brasileiro?

Com o sangue nos olhos para humilhar e eliminar “petistas” e “esquerdopatas”, demonstrando que democracia e cidadania não são princípios para si, estes brasileiros raivosos preferem amargar uma vida dura a aceitarem estar ao lado de quem tenha um posicionamento político diferente do seu, ainda que essas reformas, do jeito que estão, não privilegiem nem os de direita nem os de esquerda, piora a vida de todos.

É por desinformação ou por maldade?

blog

Esse congresso de corruptos não tem moral para retirar nossos direitos. Greve Geral neles!

Do site da CSP-Conlutas

*

A reforma trabalhista, se aprovada, será o maior ataque que já vimos à CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) desde sua criação em 1943. Trata-se da tentativa de retiradas históricas de nossos direitos trabalhistas.

“Não podemos aceitar que uma corja de bandidos nos impõe essa ofensiva, eles não tem moral pra votar nada, a grande maioria deles deveria ir era pra cadeia e devolver o que roubaram aos cofres públicos”, indigna-se o dirigente Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas, Atnágoras Lopes.

A imprensa burguesa alimenta a defesa desse ataque. Uma matéria da revista Exame, por exemplo, traz um trecho do parecer da relatoria sobre a origem da CLT para justificar as mudanças propostas pela comissão especial que analisa o tema. “Inspiradas no fascismo de Mussolini, as regras da CLT foram pensadas para um Estado hipertrofiado, intromissivo, que tinha como diretriz a tutela exacerbada das pessoas e a invasão dos seus íntimos”. Uma canalhice este argumento!

Canalhice, porque não é abordado pelo parecer e nem pela matéria que os direitos trabalhistas contidos na CLT se deram daquela forma foi devido às conquistas que ocorreram após lutas importantes de nossa classe. A classe trabalhadora brasileira e internacional já contavam com um processo de organização e greves realizadas em defesa de direitos desde a revolução de 1917, na Russia, e a organização de mobilizações importantes pelos trabalhadores europeus. O Brasil, por exemplo, já havia vivido a experiência de uma Greve Geral de 31 dias, em 1917. A CLT não foi um presente do governo Vargas!

Tamanha é a pressa do governo Temer em aprovar as medidas, que o parecer da comissão previsto para ser apresentado no dia 4 de maio foi antecipado para o último dia 12 de abril. Querem aprová-lo na comissão nesta terça-feira (18).

O projeto do governo, o Projeto de Lei 6787/2016, sofreu 844 emendas, e ataca os direitos dos trabalhadores em pontos cruciais.

O ponto crucial é a negociação entre empresa e empregado valer mais do que as leis estabelecidas na CLT e até na Constituição. Isto significa que nenhuma lei será garantia aos direitos trabalhistas. A negociação com a empresa é o que prevalecerá sempre. Se a categoria não tiver organização e força o suficiente poderá perder qualquer tipo de direito. “Além disso, todos nós sabemos, nunca há negociação entre ‘iguais’ quando se trata de patrão e empregado. O empregado está sempre em desvantagem, ele precisa garantir o sustento da família através de seu emprego, já o patrão vive sem produzir e acumulando riquezas e mais riquezas a custa da exploração do nosso suor, do nosso sangue”, ressalta Atnagoras.

Este de fato é o passo crucial para que os trabalhadores na prática não tenham mais direitos garantidos. Férias, 13º salário, FGTS, jornada de trabalho. Nada estará garantido. Tudo poderá ser “negociado” abaixo do que está previsto em lei.

“Com a aprovação da lei da terceirização, esse bando da Odebrecht, quer que os contratos de trabalho fiquem totalmente precarizados”, denuncia o dirigente. A tercerirização em si reduz direitos trabalhistas, como férias, 13º salário, aumenta a jornada de trabalho, reduz salários e piora muito próprias condições de trabalho. É público que a terceirização mata 8 trabalhadores em cada cada 10 em acidentes fatais no trabalho.

Congresso Nacional corrupto!

A população sempre soube que a corrupção impera no Brasil. É em pequenos municípios, capitais, estados e no espaço federal. De anos para cá diversos escândalos são estampados na mídia. As punições são poucas e, o pior, os esquemas continuam, porque interessam a quem está no poder.  São verdadeiros esquemas entre grandes empresas, bancos, agronegócio e políticos. Dinheiro e beneficiamentos ilícitos. O poder econômico se sobrepõe à política e à organização da sociedade brasileira. Nosso país é gerido por corruptos e corruptores.

A lista oficial do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), divulgada na semana passada, consta nada menos que 108 nomes e entre esses estão políticos de diversos partidos.

Delatados pela empreiteira Odebrecht, uma das maiores corruptoras do país, estão ministros, governadores, prefeitos, senadores, deputados, ex-políticos e figuras públicas.  Nas acusações há crimes de corrupção passiva e ativa, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica, e a formação de cartel e fraude em licitações. Foi aberto inquérito contra nove ministros do governo Michel Temer, 29 senadores e 42 deputados federais.

Aécio Neves (PSDB), José Serra (PSDB), Renan Calheiros (PMDB), Aloysio Nunes (PSDB), Cássio Cunha Lima (PSDB), e Romero Jucá (PMDB), Paulo Rocha (PT) e Jorge Viana (PT), além dos presidentes do Senado, Eunício Oliveira (PMDB) e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e tantos outros.

Entretanto é preciso afirmar que a lista oficial do ministro Fachin, veio em ótimo momento. Exatamente quando os trabalhadores preparam uma Greve Geral no país em defesa de direitos sociais e trabalhistas.

Toda esta situação só reafirma que este congresso e governo formados por políticos corruptos não tem nenhuma moral para votar a terceirização e as reformas da Previdência e trabalhista. É também uma prova de que governam e legislam em beneficio das grandes empresas, banqueiros e agronegócio.

A CSP-Conlutas reafirma mais uma vez: Não vamos aceitar a retirada de nenhum direitos dos trabalhadores. É hora de fortalecer a Greve Geral de 28 de abril para derrotar as reformas e derrubar Temer e todos os corruptos do Congresso Nacional!

*

Fonte: http://cspconlutas.org.br/2017/04/esse-congresso-de-corruptos-nao-tem-moral-para-retirar-nossos-direitos-greve-geral-neles/

Não vamos trabalhar até morrer! Queremos nossos direitos!!!

GREVE GERAL CONTRA AS REFORMAS DA PREVIDÊNCIA E TRABALHISTA

Slide4BOLETIM ESPECIAL DA CSP-CONLUTAS

 MARÇO/ABRIL 2017

http://cspconlutas.org.br/

O governo Temer anunciou e quer votar nos próximos meses uma reforma da Previdência que nos obrigará a morrer trabalhando, sem direito à aposentadoria e outros benefícios previdenciários. Quer aumentar para 49 anos o tempo de  contribuição  do trabalhador e a idade mínima para 65 até 70 anos. Quer reduzir benefícios aos que tem trabalho insalubre e dos trabalhadores rurais, assim como o de pessoas com deficiências. Também quer acabar com a aposentadoria por invalidez. Todos serão afetados!

Esse governo também quer dar continuidade a um projeto já apresentado em governos ante- riores de reforma Trabalhista. Ou seja, Temer e os deputados cor- ruptos, não satisfeitos em aca- bar com a Previdência Pública, pretendem atacar severamente os direitos trabalhistas. Entre os principais ataques estão o “negociado sobre o legislado”. Isto quer dizer que os patrões po- dem impor acordos rebaixados, pois não haverá mais a garantia da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Ou seja,  poderão impor a forma que quiserem de cumprimento da jornada mensal de 220 horas, o parcelamento das férias, a desregulamentação de vez das horas extras e outros ataques. Para tal, tentarão enfraquecer ainda mais as representações sindicais dos trabalhadores. Continuar lendo Não vamos trabalhar até morrer! Queremos nossos direitos!!!

Imposto sindical: outro câncer a ser extirpado

contra-imposto-sindicalDo sítio da CSP-CONLUTAS:

http://cspconlutas.org.br/2016/02/campanha-nacional-contra-o-imposto-sindical-sindicalismo-combativo-nas-maos-da-classe-trabalhadora/

*

O imposto sindical foi à base econômica para o atrelamento dos sindicatos ao Estado, no modelo pensado e implementado por Getúlio Vargas. É preciso reafirmar a luta para acabar com esta excrescência, contra todas as taxas e contribuições compulsórias e o repasse aos sindicatos de verbas do Estado (FAT, convênios com estatais, Ministérios etc.).

Precisamos encarar a tarefa de buscar outras fontes de financiamento, definidas democraticamente pelos trabalhadores, que permitam livrar os sindicatos desta dependência e dar coerência a nossa luta pelo fim desta contribuição compulsória. Continuar lendo Imposto sindical: outro câncer a ser extirpado