Todos os posts de Blog Pedra Lascada

O blog Pedra Lascada propõe temas sobre educação, cultura, política, literatura e atualidades, entre outros. Todas as informações e opiniões expressas nos textos são de responsabilidade de seus respectivos autores, todavia, o Pedra Lascada se reserva o direito de selecionar os textos a serem publicados, conforme critérios próprios. Nosso e-mail: blogdapedralascada@hotmail.com

Sobre o idealismo “pós-moderno”, o materialismo determinista e a crítica radical de Marx e Engels

NOTA DA PEDRA LASCADA: Diz a sabedoria popular (que mais sábia não há): meia verdade é sempre uma mentira inteira. Em tempos de relativização de verdades, de “pós-verdades” (que são igualmente mais novas e velhas mentiras), de distorções de fatos e reinvenção da História ao sabor do próprio capricho, o artigo que aqui segue é de leitura imprescindível para quem tem disposição de tirar as vendas dos olhos. Em tempo: procurando no Google imagens para este post,  ao digitar “pós-modernismo” apareceu, entre infinitas figuras, a imagem de uma zebra colorida; penso que imagem melhor não há que represente este mal-fadado conceito: nunca se sabe ao certo se a zebra é um anima branco com listras pretas, ou preto com listras brancas, mas continua sendo uma zebra; o pós-modernismo é isso – uma zebra colorida que encanta milhares de distraídos até de boa-vontade e que, ao final das contas, deu e sempre dará… zebra!  [M.S.]
 .
 .
Na atualidade tornou-se comum a alegação de que a verdade não existe, o que existiria seriam apenas interpretações, pontos de vista particulares (saberes), todos igualmente válidos.E que qualquer tentativa de conhecer a verdade não passaria de pura arrogância e pretensão daqueles que buscam ingenuamente aprisionar a complexidade de nossa existência dentro de limites autoritariamente impostos por uma abordagem determinista qualquer.

Continuar lendo Sobre o idealismo “pós-moderno”, o materialismo determinista e a crítica radical de Marx e Engels

Eliane Brum: O Brasil desassombrado pelas palavras-fantasmas | Opinião | EL PAÍS Brasil

Nota da Pedra Lascada: Sobre o absurdo da prisão de Rafael Braga, da negação dos direitos básicos e fundamentais . Sobre o absurdo do absurdo da realidade em que vivemos. Sobre o falseamento da realidade e sobre possibilidades de começarmos a sair desse marasmo e desse emaranhado… 

*

Como o sonho e a arte podem nos ajudar a acessar a realidade e a romper a paralisia

Fonte: Eliane Brum: O Brasil desassombrado pelas palavras-fantasmas | Opinião | EL PAÍS Brasil

 

Encarceramento de negros (as) e criminalização das lutas são temas de debate no Capão Redondo

Do sítio da CSP-Conlutas

*

A mesa de debate sobre encarceramento em massa e criminalização do povo negro, realizada no último sábado (22), contou com um rico debate, com reflexões acerca do que representa ser negro no Brasil, fazendo referência à prisão de Rafael Braga, no Rio de Janeiro.  A atividade foi promovida pelo Quilombo Raça e Classe, movimento cultural O3 e o Luta Popular, que escolheram a periferia da zona sul, o bairro de Capão Redondo, para esse importante bate-papo.

Os palestrantes Avanilson Araújo, do Luta Popular, Hertz Dias, do Movimento O3, Shirley Raposo do Quilombo Raça e Classe, e a mediadora de Claudicéa Durans, embasaram suas falas com estatísticas alarmantes.

Adriana Braga, mãe de Rafael, que estaria presente no evento para divulgar a campanha pela liberdade do filho, não pode participar, em razão de uma série de problemas com logística e a dificuldade em encontrar quem ficasse com os outros cinco filhos.

Um dos integrantes do Comitê Pela Liberdade de Rafael Braga, Ilídio José Wenceslau Filho, trouxe um vídeo com uma saudação de Adriana agradecendo a atividade e a campanha em torno da soltura de seu filho.

Rafael, de 25 anos, foi o único preso nas jornadas de junho de 2013. Foi condenado no dia 20 de abril de 2017, a 11 anos de prisão, por tráfico e associação criminosa, mesmo alegando inocência. Em 2013, foi acusado de portar material explosivo, quando levava apenas dois frascos lacrados de produto de limpeza.

“Adriana está sofrendo assim como milhares de mulheres que, quando não são encarceradas, são as que têm seus filhos ou companheiros encarcerados e são elas que fazem visita aos presídios, com revistas vexatórias, entre outros constrangimentos”, salientou Claudicéa Durans ao abrir a mesa de debate.

Para compreender o aspecto da criminalização no país, o integrante do Luta Popular usou o caso de Rafael para pontuar a diferença no tratamento de sua prisão em comparação com alguns políticos condenados no país por crimes de corrupção.

“Entre Lula e Rafael Braga há uma diferença muito importante. Rafael Braga, para nós, é um preso político, no entanto, Lula é um político que ainda não foi preso. São diferenças importantes para entendermos a localização de cada um”, disse Avana, completando “como você explica que um ex-operário teve penhorado de sua de previdência privada 9 milhões de reais. Se é um preso político, é em condições bem mais favoráveis que a de Rafael Braga”, salientou.

Sobre a suposta ameaça à democracia levantada por quem defende Lula, Avana apresentou o levantamento que revela que, entre 2005 e 2015, morreram no Brasil 348 mil jovens de 18 a 29 anos. Desses, 70% eram negros. “Como é que a democracia não estava ameaçada nesse período?”, questionou.

Segundo o dossiê sobre a criminalização da pobreza elaborado pelo Luta Popular e apresentado por Avana, foram nos governos de Lula e Dilma que se intensificaram os processos da aprovação leis que são aplicadas contra os trabalhadores. “Em 2007, um decreto de Lula criou a Força Nacional de Segurança, que criminalizou greves de operários em Jirau. Em 2013, no governo de Dilma, foi criada a lei da Organização Criminosa, em que Rafael Braga foi enquadrado”, explicou.

Encarceramento em massa

O Brasil é o terceiro país em número de presos no mundo. Em 2014, quando foi feito o último censo penitenciário no Brasil, 62% da população carcerária é de negros e pardos.

Avana reforçou ainda a criminalização contra os movimentos organizados, que se mobilizam contra a retirada de direitos, e que agora podem ser enquadrados na lei antiterror. “Esse processo só acontece porque há uma resistência profunda, um levante contra esse tipo de situação, há uma reação dos de baixo que só tem uma forma de ser contida na luta de classe, uma delas é através de leis como essa”, disse.

A privatização do sistema carcerário foi abordada por Hertz como outra faceta de aprofundamento da crise carcerária no país. “Existe uma experiência sobre privatização apresentada por uma deputada em Minas Gerais. O contrato da empresa que ganhou a licitação tem uma cláusula que diz o seguinte, que tem que ter um percentual de ocupação das celas, e o estado teria que cumprir isso. Isso significa então, vamos supor, que se em Minas Gerais diminuísse o numero de crimes, o governo ia ter que encontrar uma forma de prender as pessoas para cumprir com a cláusula que está colocada na licitação. Os presos se transformam em mercadoria”, denunciou.

O militante fez todo um contexto histórico desde a escravidão dos negros até a chamada escravidão moderna, em que ainda são submetidos.

Mulheres encarceradas

A militante do Quilombo Raça e Classe, Shirley, trouxe dados sobre as mulheres encarceradas no país. Entre eles, o que indica aumento de 600% de prisões de mulheres. Fazendo o recorte de raça e gênero, ela salientou que desse número, 68% são de mulheres negras. “Esses dados remetem à falta de políticas públicas e reparação, que não tivemos em governo algum”, argumentou.

Shirley reforçou a importância de espaços como aqueles para debater esses temas. “É necessário que continuemos atuando e nos mobilizando contra o encarceramento da população negra e eu acho que não é só para causar comoção, eu acho que tem que ser até a liberdade de Rafael Braga, até a liberdade dos nossos que estão presos”, finalizou.

O microfone foi aberto para que todos pudessem participar, quando complementaram com exemplos pessoais a luta contra o racismo existente no Brasil.

Pela liberdade de Rafael Braga

Como parte da campanha pela liberdade de Rafael Braga, que também é de ajuda financeira para sua família, foi repassado uma “sacola” para que as pessoas pudessem contribuir com sua família.

A frase de Ângela Davis, ativista dos Panteras Negras, que lutou e segue se mobilizando contra o racismo institucional e contra o encarceramento em massa, serviu para um cartaz de divulgação do evento: “O sistema carcerário torna natural a violência decretada contra as minorias raciais ao institucionalizar uma lógica viciosa: os negros estão presos porque são criminosos; eles são criminosos porque são negros, e, se eles estão presos, é porque merecem”.

Rafael é um preso político do governo Dilma/Cabral, condenado no governo Temer/Pezão.

Show

Após o debate, o show ficou por conta da apresentação dos  grupos de hip-hop MC’s Psico & Quebrada, Welligton ZN, Americano Fiduhenrique, MC FANI, Hertz Dias – Gíria Vermelha, Mano Yo-P, SJ,  que esquentaram a noite e animaram a plateia, com letras poderosas que denunciavam o capitalismo, o racismo, a criminalização das lutas e o encarceramento em massa.

Movimento Olga Benário ocupa casa abandonada para exigir que seja transformada numa Casa de Referência para Mulheres. Apoie essa luta!

NOTA DA PEDRA LASCADA: Com informações da página do Movimento de Mulheres Olga Benário – SP no Facebook

*

IMG-20170725-WA0009

O Movimento de Mulheres Olga Benário, realizou a ocupação de uma casa abandonada para a construção de uma Casa de Referências para Mulheres na cidade de Mauá.

A vida das mulheres no sistema em que vivemos está cada vez pior, com índices de violência e estupro que só aumentam, principalmente das mulheres negras. Por esse motivo e para defender a vida das mulheres foi organizada a ocupação, que foi nomeada de *Helenira Preta* em homenagem à Helenira Resende, mulher negra assassinada e desaparecida pela ditadura militar.

Precisamos de sua ajuda para essa luta ser vitoriosa!

*COMO POSSO AJUDAR A OCUPAÇÃO?*

DIVULGUE
Quanto mais pessoas souberem dessa luta mais força teremos para resistir.

Compartilhe no whats app essa mensagem.

Compartilhe no Facebook os post da página Movimento de Mulheres Olga Benário – SP.
O apoio popular é muito importante para não sermos despejadas!

VISITE
Visite nossa ocupação para entender nossa luta e dar vida a casa.
O endereço é Rua Governador Mário Covas em Mauá, enfrente a Praça 22 de Novembro, perto da estação de trem e terminal de ônibus de Mauá.

TRAGA MANTIMENTOS
A casa não tem recursos mínimos e necessitamos de doações.

Para cozinha:
Água
Caneca
Coador de café
Garrafa térmica
Sal
Margarina
Mistura
Molho de tomate
Cebola
Alho
Fósforo

Para casa e limpeza:
Vela
Lanterna
Fios elétricos
Lâmpada

CONTRIBUA FINANCEIRAMENTE
Traga contribuições financeiras ou deposite na conta de apoio:

Caixa Econômica Federal
Agência 0163
Operação 013
Conta corrente 125065-4

REALIZE ATIVIDADES
Nos ajude realizando atividades culturais, de lazer, oficinas e debates, quanto mais mobilização melhor pra nossa luta!

AJUDE NESSA LUTA
Ela é de todas e todos nós, é por uma sociedade mais justa e igualitária, é pela vida das mulheres.

#HeleniraPretaVive
#OcupacaoHeleniraPreta

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

*Todas as imagens e textos extraídos do perfil do Movimento de Mulheres Olga Benário – SP no Facebook

No meio da desgracêra, eu truco!

Por Helena Silvestre, de São Paulo (SP)

*

A melhor saída é aquela que construímos com as nossas próprias mãos.

O governo Temer acabou.

O homem arrogante ainda está sentado na cadeira. mas já não é capaz de apontar o caminho que o Brasil deve seguir. Nem ele e nem nenhum político de plantão – eleito ou candidato – tem a nossa confiança.

Escândalo após escândalo as máscaras caem por terra e ficamos frente a frente com a cara desse sistema podre que já passou da hora de acabar. Continuar lendo No meio da desgracêra, eu truco!

Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

NOTA DA PEDRA LASCADA: Quem nunca participou de assembleia esvaziada de sindicato e ouviu dos burocratas ao microfone o lamurioso e roto discurso de culpabilização dos trabalhadores “que não se mobilizam”, “que não querem nada” ou, antes, “que querem tudo de mão beijada” e que as “coisas só não vão pra frente porque a categoria não participa” e bla-bla-bla e ti-ti-ti e tro-lo-ló?… Que “a direção, coitada!, ahhh, se mata, se desdobra, se sacrifica, se isso, se aquilo”… O quê?! Você que é servidor público em SBC cansou de ouvir e até de ler tais impropérios em publicações de dirigentes burocratas? Pois é… Qualquer semelhança não é mera coincidência… Entenda esses e outros meandros  lendo o brilhante artigo de Hertz Dias, membro da Secretaria de Negros do PSTU e vocalista do grupo de rap Gíria Vermelha. [M.S.] Continuar lendo Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

Estrelas – I

BLOG PEDRA LASCADA

Nunca mais contei estrelas
Nem brindei da taça hodierna
O profundo agradecimento
 .
E as vendo cintilantes
Como outrora diferentes
Um pasto azul-escuro
E um pastor prateado
 .
Conduzi minha quimera
Numa lágrima desprendida
Não por dor nem sofrimento
Mas por amor à vida.
.
                                              [MS]

Ver o post original

Análise crítica: “Reflexões Sobre o Multiculturalismo na Escola e na Formação Docente”, de Canen & Moreira – Parte 4

Evidentemente, as classes sociais não se constituem de um todo homogêneo com sujeitos cujos interesses e princípios são os mesmos ou sequer similares, e nesse sentido há que se valer dos estudos culturais para compreender as ações, pensamentos e construções identitárias dos grupos no interior das classes. Nesse sentido, podem ser muito úteis e pertinentes as contribuições de Canen e Moreira quando defendem, por exemplo, que “às situações de violência real devem-se acrescentar os efeitos da violência simbólica decorrentes do processo de globalização excludente que, ao procurar homogeneizar manifestações culturais, termina por anular vozes e experiências dos grupos oprimidos”. Continuar lendo Análise crítica: “Reflexões Sobre o Multiculturalismo na Escola e na Formação Docente”, de Canen & Moreira – Parte 4

Cai, não cai… mas, afinal, o que deve cair?

“Nossa alternativa deve ser criar as condições para barrar as reformas, seja por qual meio venham a se impor. Nosso dever é afirmar que a presente crise não clama por mais democracia representativa, mas indica seu mais evidente limite, o que exige urgentemente uma nova forma política”. (Mauro Iasi)

Veja o artigo completo, publicado no Blog da Boitempo, clicando no link abaixo:

http://wp.me/pB9tZ-4AT

Uma questão na madrugada

BLOG PEDRA LASCADA

Não se trata do homem E seus atos, simplesmente. Trata-se de uma homogeneidade: Tempo, vida, esperança... Da brisa do mar Do cheiro de peixe Desse Mediterrâneo Atlântico ou Pacífico... Do registro em minha Memo-identidade Em meus neurônios fatigados... Dessa madrugada em casa Dos espíritos que rondam O amanhecer... Não se trata da imagem Do homem frente ao espelho. Trata-se de seu reflexo Perante o mundo: As coisas naturais Artificiais e sobrenaturais... Nomes talhados Nas árvores, nas rochas Nos arranha-céus Emaranhados montanhosos... A Patagônia tão perto O Saara tão perto: A impressão que se tem Desse silêncio deserto Desse momento de brilho Desse instante incerto... Não se trata da figura Dos figurinos menos ainda. Mas sim de sua representação Da ação que tece e destece Um novelo que não é de lã Lá no Ibirapuera No Amazonas e nessa vila Humaitá, Guarani ou América... Das águias, do Progresso (Que não chega)…

Ver o post original 65 mais palavras