Todos os posts de Marcelo Siqueira

Sou o que sou: presente, passado e futuro; tempos intercalados; movimento das ondas e do espaço; metamorfose ambulante e, ainda assim, o mesmo de antes! Professor do Ensino Fundamental por oito anos, atualmente diretor escolar em uma escola de Educação Infantil, "péssimo aluno, ótimo estudante" - alguém dissera de mim, se bem que tenho minhas dúvidas - leitor, garimpador de pérolas discursivas, escrivinhador sem pretensões literárias. E assim caminha a humanidade...

Vão-se os anéis…

 

O dia que vem chegando,
As palavras que disse sem pensar,
As consequências inevitáveis,
A impulsividade contagiosa de meus amigos..

Somado a tudo isso: a esperança perdida.
Salvar o homem? Para quê?
Ainda assim, persisto - persistimos.

Encontro rostos conhecidos,
Vozes ressurgem na memória...
Gritos - nesse instante silencioso -
Cerram o sono e a paciência.

É preciso ter coragem ou estar louco
Para saber-se a muito e ser tão pouco.

A manhã se aproxima,
Sabemos que o Sol existirá longamente
E que cada manhã vindoura é um dia a mais
De menos paz, de intensa irracionalidade.

Preso neste mar de papéis
A mente convergindo para a incoerência
E essa lembrança triste e serena, trapaceira.

Vão-se os anéis, os dedos...

[M.S., abril/2000]

 

Colhendo o Dia

Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem: outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.

Por que tão longe ir pôr o que está perto —
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este o momento, isto
É quem somos, e é tudo.

Perene flui a interminável hora
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele.

[Ricardo Reis]

 

Primavera de mil setecentos e setenta e quatro

No dia em que você me deu bombos tentando me expulsar do seu coração, pensei no quanto a ironia das circunstâncias pode ser planejada e no quanto acontece inconscientemente, sendo apenas parte da mente de quem a interpreta.Então decidi que não mais tentaria. Comeria os bombons como a gorda os comeu sem nem mesmo me dar um pedaço, daria um último beijo e faria o último sexo, como se realmente fossem os últimos atos de uma vida tão valiosa quanto qualquer outra vida, como se eu pudesse premeditar os sentidos e os sentimentos, como se eu fosse o último dos homens e o primeiro dos pais. Continuar lendo Colhendo o Dia

Leitura de recesso escolar: “Amor e Capital”, de Mary Gabriel

Gabriel, Mary. Amor e Capital: a saga familiar de Karl Marx e a história de uma revolução; tradução de Alexandre Barbosa de Souza. – Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

Quando comprei esse livro, há uns anos atrás, fui atraído pela ideia de conhecer sobre a vida de Karl Marx para além do político e pensador endeusado ou amaldiçoado de acordo com as lentes e filtros adotados.

Contudo, este não é um livro pura e simples sobre Karl Marx, e sim sobre sua família, sobre a história de um casal e sobretudo sobre as mulheres fortes e combativas que enfrentando barbaramente as adversidades da vida impostas pelo modo de produção e pelas relações sociais predominates no capitalismo fizeram história junto com Marx, mas na historiografia acabam sendo relegadas a segundo plano. Como diz a autora, num prefácio que dispensa maiores apresentações, e que transcrevo parte como um convite à leitura:

“A história da família Marx é tão rica que elucida também o desenvolvimento das ideias de Marx, uma vez que se desenrola sobre o pano de fundo do nascimento do capitalism moderno. O sistema capitalista do século XIX amadurece com as filhas de Marx. Ao final do século, as lutas que elas enfrentaram em nome dos trabalhadores já não pareciam as que o pai lutara em meados do século. As batalhas da época dele davam a impressão de ter sido relativamente amenas. As lutas do tempo de suas filhas se tornaram selvagens (…)

Ao escrever as biografias dos grandes homens de Roma e Atenas antes de sua morte em 120 d.C., Plutarco afirmou que a chave para entender esses homens não estava nas conquistas dos campos de batalha ou en seus triunfos públicos, mas em suas vidas pessoais, em seus personagens, até mesmo um gesto ou uma palavra. Acredito que através da história da família Marx, os leitores poderão entender melhor Marx, da forma como Plutarco sugere. Espero também que os leitores saiam desta leitura com admiração pelas mulheres da vida de Marx, que por causa da sociedade em que foram criadas acabaram assumindo papéis quase sempre secundários. Acredito que a coragem, a força e o brilhantismo dessas mulheres já permaneceram tempo demais na obscuridade. Sem elas não haveria Karl Marx, e sem Karl Marx o mundo não seria como nós o conhecemos”.

Vamos à leitura, pois!

[M.S.]

Policromático

Com teu sorriso o meu rosto cobre
passeando seus olhos cor de cobre
semeia sonho, sanha, simplicidade
magia e feitiço em meio à verdade
impulsos de sentimentos pulsantes
devoram pensamentos inebriantes

sons que voam tontos, livres, leves
cem frases soltas ao vento - breves
lembram a imagem em vão perdida
completam uma palavra - esquecida
experiência de ciência inconsciente
sempre aquiescente a inquieta mente

tons e sobretons ornam a sua face
de uma voz outra vez sem disfarce
apertando a si mesma num abraço
impõe seu caminho em cada passo
acordes que tange por onde passo.

[M.S.]

 

 

 

 

 

O que não se pode explicar…

 

Quantos abraços precisamos
(não mais que dois)
para que fique a saudade
de um antes e de um depois
inexistidos,

um tanto de quero-mais
e de bem-querer
contidos
numa vida incontida
ainda por viver?

Quantos silêncios
seriam precisos
para explicar
a preciosa e imprecisa
linguagem do olhar,

dos sorrisos compartilhados
em gestos espontâneos,
simultâneos, sincronizados
por encantamentos febris
em instantes sutis?

Quantos versos seriam
suficientes
para que não mais
ou mesmo de repente
explicar o pensamento

e ser capaz
de ver o que há por dentro
ou não - de um coração
que ao sabor dos ventos se abre
colhendo tempo e tempestade?

                       [M.S.]

 

8 Dicas para estimular seu filho em casa

Diário da Inclusão Social (https://diariodainclusaosocial.com) é um blog que recomendo a pais, mães, educadores e todos que queiram saber mais sobre as questões da inclusão em nossa sociedade. A partir de experiências concretas vividas em família e pelos conhecimentos adquiridos destas experiências, de pesquisas e leituras, Talita, Luciene e Maria de Lourdes vão nos apresentando um mundo de possibilidades na educação e convivência com seres humanos com necessidades especiais, de tal maneira que passamos a compreender não como “deficiência”, mas sim como características e singularidades humanas as diferenças no jeito de ser, pensar e conviver de cada ser humano.

Diário da Inclusão Social

Estimular nossos filhos é um processo diário e continuo…. Que faz toda a diferença para a sua qualidade de vida e o para o sucesso de seu desenvolvimento! E este  não precisa ser um processo maçante e cansativo, pelo contrário: pode e deve ser muito prazeroso para todos os envolvidos, até porque quanto mais envolvente, mais significativo!

Passo agora a compartilhar com vocês algumas atividades e brincadeiras que eu e o Caique gostamos muito de fazer em casa. Confiram!

Ver o post original 582 mais palavras

MIUDEZAS DE PENSAR * Tiny little things of thinking

Ana de Lourdes escreve com uma sensibilidade única, ousando neologismos e figuras de linguagens penetrantes. Em suas escritas é difícil saber o que é real ou imaginário, tudo se sintetiza numa harmonia ao mesmo tempo simples – pela linguagem coloquial e envolvente – e complexa – pela força das metáforas construídas como alicerces poderosos de um edifício que toca as nuvens do céu. Convido-os a conhecerem seu blog: https://anadelourdes.wordpress.com

Poesias e Cia - Ana Teixeira

Rodin
Escondo o mundo nos músculos do peito... 
Enrolados neste barulho, somos sons intermináveis!
ruidosos, porque vitrais se quebram,
Ou é esse mundo de vidro que balança demais.

Alimento a fé com miudezas...
Espanta-me as preces decoradas!
Decorei,  porque não acredito,
ou acreditando juntei memórias?

Engravido de fluidos que viram gente,
e de versos enfileirados que nunca pedi...
Possuo dons porque mereço,
ou por não merecer me tornei quem não sou?

Seguro a paciência num fio sem limites,
admirando caminhos que jamais se encontraram....
Encontro, porque espichar deixa sobras,
ou porque estirada me alcanço do outro lado?

Espreito o que é meu, desejo o que não sinto falta.
Maravilhas de pequenas criações...
Inventadas porque sou “querente”,
ou porque pensamento é descoberta de sonhador.

Ana de Lourdes Teixeira - Março,2017

Ver o post original

Insatisfações, Esquecimentos & outras firulas

“Somos seres desejantes destinados à incompletude e é isso que nos faz caminhar” – Jacques Lacan

Costumo dizer que podemos ter um dia maravilhoso, com tudo correndo às mil maravilhas (passar naquela faculdade disputadíssima, receber um elogio do chefe rabugento, ganhar um beijo da pessoa amada, ser premiado na mega-sena e, de quebra, quem sabe até ver o Palmeiras ser campeão do mundo!), massssssssssssss… Continuar lendo Insatisfações, Esquecimentos & outras firulas

Análise crítica: “Reflexões Sobre o Multiculturaismo na Escola e na Formação Docente”, de Canen & Moreira – Parte 3

Algumas considerações (in) pertinentes: pensamento neoliberal e discurso pós-moderno

A preocupação com a pluralidade cultural, com o respeito e valorização dos grupos culturais e étnicos é fundamental para a construção de uma sociedade democrática. O diálogo, neste sentido, assim como propõem Conem e Moreira, deve ser o princípio básico, a essência de uma educação voltada para a transformação social. O “monopólio do diálogo”, a hegemonia da fala e do poder político, representado e concomitantemente perpetuado pela concentração do poderio econômico nas mãos de uns poucos ainda são entraves grandiosos para a superação da segregação social e discriminação cultural em nossa sociedade. Talvez por isso mesmo é que Paulo Freire nos alerta para a impossibilidade de um verdadeiro diálogo entre os sujeitos da classe oprimida e os sujeitos da classe dominante. O diálogo, define Paulo Freire (1986: 123) “é o momento em que os humanos se encontram para refletir sobre sua realidade tal como fazem e re-fazem(…)“. Através do diálogo, refletindo juntos sobre o que sabemos e não sabemos, podemos, a seguir, atuar criticamente para transformar a realidade. Continuar lendo Análise crítica: “Reflexões Sobre o Multiculturaismo na Escola e na Formação Docente”, de Canen & Moreira – Parte 3