Todos os posts de grazicunharj

Sobre “13 Reasons why” ou, simplesmente, “Os 13 porquês”.

Li diversas críticas antes de chegar efetivamente à série. A maioria qualificava como “necessária”, mas li algumas bem duras que simplesmente recomendavam às pessoas que não assistissem, inclusive argumentando que há orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) para que não se produza materiais desse tipo.

Fato é que, à medida em que eu ia assistindo, compreendi muito bem por que muitos conseguiram apenas dizer que a série é “necessária”.

Assumi diferentes papéis enquanto assistia: mãe, professora, adolescente, filha, aluna. Tem a ver com uma capacidade que precisa urgentemente ser exercitada na sociedade atual: empatia. Com essa história de “baleia azul”, então… Continuar lendo Sobre “13 Reasons why” ou, simplesmente, “Os 13 porquês”.

Sobre reformas, lados e luta por direitos

Não acredito que os cidadãos comuns que eu conheço sejam realmente a favor das reformas como estão. E me preocupa quando demonstram desconhecerem os textos das reformas, criminalizando aqueles que não se rendem como eles e vão às ruas dizer “assim do jeito que está não queremos!”. Digo isso porque não vi nenhum argumento favorável às reformas que não fosse o fim das “mamatas” dos sindicatos.

É por desinformação que os impede de entender que somos contrários à reforma trabalhista, à reforma da previdência e à lei da terceirização irrestrita da forma como estão propostas? Será que estes que apenas reproduzem os gritos de movimentos como o MBL e o Vem pra Rua sabem que a tal reforma trabalhista que eles dizem que acaba com a “boquinha” dos sindicatos tem cerca de 100 alterações na CLT? Será que sabem que, ao contrário deles que dizem “a culpa do Temer estar lá é de quem votou no PT”, o MBL, o Vem pra Rua e o partido queridinho deles fecha com o Temer, por princípios afins, não como falta de opção, por acreditarem no seu modo de vender os brasileiros e de fazer política? Aliás, quanta infantilidade apoiar o Temer só pra se vingar de petistas… E se acham muito melhores que estes…

Reformas são necessárias e urgentes. A reforma política deveria ser a primeira. Por que não estamos discutindo esta? Porque temos uma economia para “recuperar”, será o seu argumento?! Mantendo bandidos no poder, independente de quantas investigações sejam feitas, de quantas condenações se efetivem, acreditando que a cada 2 anos escolheremos, entre os bandidos, aquele que “rouba, mas faz” ou aquele que “é rico e não precisa roubar nem governar para todos os cidadãos” ou aquele que acha que todos os problemas do país se resolvem colocando uma arma na mão de cada brasileiro?

Com o sangue nos olhos para humilhar e eliminar “petistas” e “esquerdopatas”, demonstrando que democracia e cidadania não são princípios para si, estes brasileiros raivosos preferem amargar uma vida dura a aceitarem estar ao lado de quem tenha um posicionamento político diferente do seu, ainda que essas reformas, do jeito que estão, não privilegiem nem os de direita nem os de esquerda, piora a vida de todos.

É por desinformação ou por maldade?

blog

Privatização da Educação

Privatização da Educação

De forma desonesta e tendenciosa, o Governo Federal manipula recursos importantes destinados à Educação para satisfazer interesses de mercado dos empresários do setor. O pior é que tem o aval da sociedade, que não percebe o que há de fato nas entrelinhas. O que para o cidadão é considerado “gratuito” e, portanto, bom, é, na verdade, remanejamento de recursos públicos que poderiam ser utilizados para melhorar a estrutura da Educação Pública, mas é desperdiçado em instituições privadas que não têm compromisso com a qualidade. O pobre chegou à universidade com o Prouni, mas quais são as suas reais chances quando conclui um curso péssimo numa das inúmeras universidades conveniadas ao Programa?

Uma reflexão sobre a escola moderna…

“A escola como máquina de produção de subjetividade produz identidades, identidades que se repetem, identidades que se reproduzem, identidades que, mesmo diferentes, retornam ao mesmo. The Wall, do Pink Floyd, no filme do mesmo título de Alan Parker. A escola como linha de montagem; os estudantes que perdem seus rostos; todos na mesma esteira; a esteira que leva a um imenso moedor de carne. Imagem forte, mas precisa. É isso que a escola moderna: um imenso e metafórico moedor de carne; pois é isso que é a subjetividade moderna, capitalística: carne moída, massa, identidade que reproduz o mesmo.” Silvio Gallo, 2005.