Manifesto: Somos Todos Educadores!

Do blogue Somos Todos Educadores

*

Professor, membro da equipe gestora, auxiliar em educação, oficial de escola, inspetor de alunos, porteiro, zelador escolar, auxiliar de limpeza, cozinheiro, profissional das equipes técnicas (orientador pedagógico, fono, psico, fisio etc)… Todos que trabalhamos nas escolas, envolvidos diretamente no processo de ensino ou em seu apoio e viabilização, somos responsáveis pela qualidade da educação das crianças, jovens e adultos usuários das redes de ensino.

Na efetivação do trabalho dos professores, das professoras, viabilizado e apoiado pelos demais trabalhadores e trabalhadoras da educação escolar, o ensino se concretiza; mais que isso, o processo educativo se complementa na relação e nos cuidados que cada profissional da educação estabelece entre si, com as famílias e com os educandos.

Ensinar, educar e cuidar são indissociáveis, pois fazem parte de um mesmo processo, que é o da formação dos seres humanos para a vida em sociedade. Neste sentido, independente do nosso cargo, no trabalho escolar exercemos função inerentemente educativa.

SOMOS TODOS EDUCADORES – e como educadores que somos, comprometidos com a qualidade da educação, lutamos por melhores condições de trabalho e de aprendizagem, pelo direito de todos à valorização profissional, à salários dignos e condizentes com nossas responsabilidades educativas, à formação em serviço, por planos de carreira que possibilitem concretamente a todos educadores, a todas educadoras, evolução funcional e salarial.

Este espaço virtual se apresenta como uma ferramenta dessa luta, contra o processo de desmonte da educação pública levado à cabo pelos governos federal, estaduais e municipais que ano após ano diminuem os investimentos em educação, impõem retrocessos aos currículos, retiram direitos dos trabalhadores, privatizam e terceirizam o serviço público.

NENHUM PROFISSIONAL FORA! NENHUM DIREITO A MENOS! SOMOS TODOS EDUCADORES!!

Xenofobia e burrice

Nota da Pedra Lascada: Artigo de Luis Ruffato, sem meias palavras. Publicado no sítio  El País em maio de 2017. Convém ler 😉

*

Assistir a pronunciamentos irados de descendentes de portugueses, espanhóis, italianos, alemães e japoneses contra os imigrantes deveria ser apenas risível, mas é preocupante

Há uma importante diferença entre ignorância e burrice. A ignorância está relacionada à falta de conhecimento sobre algo ou alguma coisa. Já a burrice é a incapacidade de compreender a realidade, por teimosia ou arrogância. A ignorância é perdoável, pois muitas vezes deve-se à baixa escolaridade ou a um sistema de ensino ruim. Já a burrice não se justifica — é a obstinação com que certas pessoas se agarram a ideias pré-concebidas, independentemente de seu grau de instrução ou a que classe social pertença. Geralmente, a burrice prospera em espaços adubados pela intolerância. Quanto menos luz, mais sentimentos estúpidos de superioridade (étnicos, religiosos ou sociais); quanto mais escuridão, mais afundamos no atoleiro. Em um país hipócrita, racista, violento e corrupto como o Brasil, a burrice impera com o vigor do animal que empresta, injustamente, seu nome ao substantivo. Continuar lendo Xenofobia e burrice

Sobre o idealismo “pós-moderno”, o materialismo determinista e a crítica radical de Marx e Engels

NOTA DA PEDRA LASCADA: Diz a sabedoria popular (que mais sábia não há): meia verdade é sempre uma mentira inteira. Em tempos de relativização de verdades, de “pós-verdades” (que são igualmente mais novas e velhas mentiras), de distorções de fatos e reinvenção da História ao sabor do próprio capricho, o artigo que aqui segue é de leitura imprescindível para quem tem disposição de tirar as vendas dos olhos. Em tempo: procurando no Google imagens para este post,  ao digitar “pós-modernismo” apareceu, entre infinitas figuras, a imagem de uma zebra colorida; penso que imagem melhor não há que represente este mal-fadado conceito: nunca se sabe ao certo se a zebra é um anima branco com listras pretas, ou preto com listras brancas, mas continua sendo uma zebra; o pós-modernismo é isso – uma zebra colorida que encanta milhares de distraídos até de boa-vontade e que, ao final das contas, deu e sempre dará… zebra!  [M.S.]
 .
 .
Na atualidade tornou-se comum a alegação de que a verdade não existe, o que existiria seriam apenas interpretações, pontos de vista particulares (saberes), todos igualmente válidos.E que qualquer tentativa de conhecer a verdade não passaria de pura arrogância e pretensão daqueles que buscam ingenuamente aprisionar a complexidade de nossa existência dentro de limites autoritariamente impostos por uma abordagem determinista qualquer.

Continuar lendo Sobre o idealismo “pós-moderno”, o materialismo determinista e a crítica radical de Marx e Engels