Vão-se os anéis…

 

O dia que vem chegando,
As palavras que disse sem pensar,
As consequências inevitáveis,
A impulsividade contagiosa de meus amigos..

Somado a tudo isso: a esperança perdida.
Salvar o homem? Para quê?
Ainda assim, persisto - persistimos.

Encontro rostos conhecidos,
Vozes ressurgem na memória...
Gritos - nesse instante silencioso -
Cerram o sono e a paciência.

É preciso ter coragem ou estar louco
Para saber-se a muito e ser tão pouco.

A manhã se aproxima,
Sabemos que o Sol existirá longamente
E que cada manhã vindoura é um dia a mais
De menos paz, de intensa irracionalidade.

Preso neste mar de papéis
A mente convergindo para a incoerência
E essa lembrança triste e serena, trapaceira.

Vão-se os anéis, os dedos...

[M.S., abril/2000]

 

Eliane Brum: O Brasil desassombrado pelas palavras-fantasmas | Opinião | EL PAÍS Brasil

Nota da Pedra Lascada: Sobre o absurdo da prisão de Rafael Braga, da negação dos direitos básicos e fundamentais . Sobre o absurdo do absurdo da realidade em que vivemos. Sobre o falseamento da realidade e sobre possibilidades de começarmos a sair desse marasmo e desse emaranhado… 

*

Como o sonho e a arte podem nos ajudar a acessar a realidade e a romper a paralisia

Fonte: Eliane Brum: O Brasil desassombrado pelas palavras-fantasmas | Opinião | EL PAÍS Brasil

 

Encarceramento de negros (as) e criminalização das lutas são temas de debate no Capão Redondo

Do sítio da CSP-Conlutas

*

A mesa de debate sobre encarceramento em massa e criminalização do povo negro, realizada no último sábado (22), contou com um rico debate, com reflexões acerca do que representa ser negro no Brasil, fazendo referência à prisão de Rafael Braga, no Rio de Janeiro.  A atividade foi promovida pelo Quilombo Raça e Classe, movimento cultural O3 e o Luta Popular, que escolheram a periferia da zona sul, o bairro de Capão Redondo, para esse importante bate-papo.

Os palestrantes Avanilson Araújo, do Luta Popular, Hertz Dias, do Movimento O3, Shirley Raposo do Quilombo Raça e Classe, e a mediadora de Claudicéa Durans, embasaram suas falas com estatísticas alarmantes.

Adriana Braga, mãe de Rafael, que estaria presente no evento para divulgar a campanha pela liberdade do filho, não pode participar, em razão de uma série de problemas com logística e a dificuldade em encontrar quem ficasse com os outros cinco filhos.

Um dos integrantes do Comitê Pela Liberdade de Rafael Braga, Ilídio José Wenceslau Filho, trouxe um vídeo com uma saudação de Adriana agradecendo a atividade e a campanha em torno da soltura de seu filho.

Rafael, de 25 anos, foi o único preso nas jornadas de junho de 2013. Foi condenado no dia 20 de abril de 2017, a 11 anos de prisão, por tráfico e associação criminosa, mesmo alegando inocência. Em 2013, foi acusado de portar material explosivo, quando levava apenas dois frascos lacrados de produto de limpeza.

“Adriana está sofrendo assim como milhares de mulheres que, quando não são encarceradas, são as que têm seus filhos ou companheiros encarcerados e são elas que fazem visita aos presídios, com revistas vexatórias, entre outros constrangimentos”, salientou Claudicéa Durans ao abrir a mesa de debate.

Para compreender o aspecto da criminalização no país, o integrante do Luta Popular usou o caso de Rafael para pontuar a diferença no tratamento de sua prisão em comparação com alguns políticos condenados no país por crimes de corrupção.

“Entre Lula e Rafael Braga há uma diferença muito importante. Rafael Braga, para nós, é um preso político, no entanto, Lula é um político que ainda não foi preso. São diferenças importantes para entendermos a localização de cada um”, disse Avana, completando “como você explica que um ex-operário teve penhorado de sua de previdência privada 9 milhões de reais. Se é um preso político, é em condições bem mais favoráveis que a de Rafael Braga”, salientou.

Sobre a suposta ameaça à democracia levantada por quem defende Lula, Avana apresentou o levantamento que revela que, entre 2005 e 2015, morreram no Brasil 348 mil jovens de 18 a 29 anos. Desses, 70% eram negros. “Como é que a democracia não estava ameaçada nesse período?”, questionou.

Segundo o dossiê sobre a criminalização da pobreza elaborado pelo Luta Popular e apresentado por Avana, foram nos governos de Lula e Dilma que se intensificaram os processos da aprovação leis que são aplicadas contra os trabalhadores. “Em 2007, um decreto de Lula criou a Força Nacional de Segurança, que criminalizou greves de operários em Jirau. Em 2013, no governo de Dilma, foi criada a lei da Organização Criminosa, em que Rafael Braga foi enquadrado”, explicou.

Encarceramento em massa

O Brasil é o terceiro país em número de presos no mundo. Em 2014, quando foi feito o último censo penitenciário no Brasil, 62% da população carcerária é de negros e pardos.

Avana reforçou ainda a criminalização contra os movimentos organizados, que se mobilizam contra a retirada de direitos, e que agora podem ser enquadrados na lei antiterror. “Esse processo só acontece porque há uma resistência profunda, um levante contra esse tipo de situação, há uma reação dos de baixo que só tem uma forma de ser contida na luta de classe, uma delas é através de leis como essa”, disse.

A privatização do sistema carcerário foi abordada por Hertz como outra faceta de aprofundamento da crise carcerária no país. “Existe uma experiência sobre privatização apresentada por uma deputada em Minas Gerais. O contrato da empresa que ganhou a licitação tem uma cláusula que diz o seguinte, que tem que ter um percentual de ocupação das celas, e o estado teria que cumprir isso. Isso significa então, vamos supor, que se em Minas Gerais diminuísse o numero de crimes, o governo ia ter que encontrar uma forma de prender as pessoas para cumprir com a cláusula que está colocada na licitação. Os presos se transformam em mercadoria”, denunciou.

O militante fez todo um contexto histórico desde a escravidão dos negros até a chamada escravidão moderna, em que ainda são submetidos.

Mulheres encarceradas

A militante do Quilombo Raça e Classe, Shirley, trouxe dados sobre as mulheres encarceradas no país. Entre eles, o que indica aumento de 600% de prisões de mulheres. Fazendo o recorte de raça e gênero, ela salientou que desse número, 68% são de mulheres negras. “Esses dados remetem à falta de políticas públicas e reparação, que não tivemos em governo algum”, argumentou.

Shirley reforçou a importância de espaços como aqueles para debater esses temas. “É necessário que continuemos atuando e nos mobilizando contra o encarceramento da população negra e eu acho que não é só para causar comoção, eu acho que tem que ser até a liberdade de Rafael Braga, até a liberdade dos nossos que estão presos”, finalizou.

O microfone foi aberto para que todos pudessem participar, quando complementaram com exemplos pessoais a luta contra o racismo existente no Brasil.

Pela liberdade de Rafael Braga

Como parte da campanha pela liberdade de Rafael Braga, que também é de ajuda financeira para sua família, foi repassado uma “sacola” para que as pessoas pudessem contribuir com sua família.

A frase de Ângela Davis, ativista dos Panteras Negras, que lutou e segue se mobilizando contra o racismo institucional e contra o encarceramento em massa, serviu para um cartaz de divulgação do evento: “O sistema carcerário torna natural a violência decretada contra as minorias raciais ao institucionalizar uma lógica viciosa: os negros estão presos porque são criminosos; eles são criminosos porque são negros, e, se eles estão presos, é porque merecem”.

Rafael é um preso político do governo Dilma/Cabral, condenado no governo Temer/Pezão.

Show

Após o debate, o show ficou por conta da apresentação dos  grupos de hip-hop MC’s Psico & Quebrada, Welligton ZN, Americano Fiduhenrique, MC FANI, Hertz Dias – Gíria Vermelha, Mano Yo-P, SJ,  que esquentaram a noite e animaram a plateia, com letras poderosas que denunciavam o capitalismo, o racismo, a criminalização das lutas e o encarceramento em massa.

Movimento Olga Benário ocupa casa abandonada para exigir que seja transformada numa Casa de Referência para Mulheres. Apoie essa luta!

NOTA DA PEDRA LASCADA: Com informações da página do Movimento de Mulheres Olga Benário – SP no Facebook

*

IMG-20170725-WA0009

O Movimento de Mulheres Olga Benário, realizou a ocupação de uma casa abandonada para a construção de uma Casa de Referências para Mulheres na cidade de Mauá.

A vida das mulheres no sistema em que vivemos está cada vez pior, com índices de violência e estupro que só aumentam, principalmente das mulheres negras. Por esse motivo e para defender a vida das mulheres foi organizada a ocupação, que foi nomeada de *Helenira Preta* em homenagem à Helenira Resende, mulher negra assassinada e desaparecida pela ditadura militar.

Precisamos de sua ajuda para essa luta ser vitoriosa!

*COMO POSSO AJUDAR A OCUPAÇÃO?*

DIVULGUE
Quanto mais pessoas souberem dessa luta mais força teremos para resistir.

Compartilhe no whats app essa mensagem.

Compartilhe no Facebook os post da página Movimento de Mulheres Olga Benário – SP.
O apoio popular é muito importante para não sermos despejadas!

VISITE
Visite nossa ocupação para entender nossa luta e dar vida a casa.
O endereço é Rua Governador Mário Covas em Mauá, enfrente a Praça 22 de Novembro, perto da estação de trem e terminal de ônibus de Mauá.

TRAGA MANTIMENTOS
A casa não tem recursos mínimos e necessitamos de doações.

Para cozinha:
Água
Caneca
Coador de café
Garrafa térmica
Sal
Margarina
Mistura
Molho de tomate
Cebola
Alho
Fósforo

Para casa e limpeza:
Vela
Lanterna
Fios elétricos
Lâmpada

CONTRIBUA FINANCEIRAMENTE
Traga contribuições financeiras ou deposite na conta de apoio:

Caixa Econômica Federal
Agência 0163
Operação 013
Conta corrente 125065-4

REALIZE ATIVIDADES
Nos ajude realizando atividades culturais, de lazer, oficinas e debates, quanto mais mobilização melhor pra nossa luta!

AJUDE NESSA LUTA
Ela é de todas e todos nós, é por uma sociedade mais justa e igualitária, é pela vida das mulheres.

#HeleniraPretaVive
#OcupacaoHeleniraPreta

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

*Todas as imagens e textos extraídos do perfil do Movimento de Mulheres Olga Benário – SP no Facebook

No meio da desgracêra, eu truco!

Por Helena Silvestre, de São Paulo (SP)

*

A melhor saída é aquela que construímos com as nossas próprias mãos.

O governo Temer acabou.

O homem arrogante ainda está sentado na cadeira. mas já não é capaz de apontar o caminho que o Brasil deve seguir. Nem ele e nem nenhum político de plantão – eleito ou candidato – tem a nossa confiança.

Escândalo após escândalo as máscaras caem por terra e ficamos frente a frente com a cara desse sistema podre que já passou da hora de acabar. Continuar lendo No meio da desgracêra, eu truco!

Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

NOTA DA PEDRA LASCADA: Quem nunca participou de assembleia esvaziada de sindicato e ouviu dos burocratas ao microfone o lamurioso e roto discurso de culpabilização dos trabalhadores “que não se mobilizam”, “que não querem nada” ou, antes, “que querem tudo de mão beijada” e que as “coisas só não vão pra frente porque a categoria não participa” e bla-bla-bla e ti-ti-ti e tro-lo-ló?… Que “a direção, coitada!, ahhh, se mata, se desdobra, se sacrifica, se isso, se aquilo”… O quê?! Você que é servidor público em SBC cansou de ouvir e até de ler tais impropérios em publicações de dirigentes burocratas? Pois é… Qualquer semelhança não é mera coincidência… Entenda esses e outros meandros  lendo o brilhante artigo de Hertz Dias, membro da Secretaria de Negros do PSTU e vocalista do grupo de rap Gíria Vermelha. [M.S.] Continuar lendo Trabalhadores imaturos ou direções apodrecidas? Por onde se organizam as derrotas?

Colhendo o Dia

Uns, com os olhos postos no passado,
Vêem o que não vêem: outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, vêem
O que não pode ver-se.

Por que tão longe ir pôr o que está perto —
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este o momento, isto
É quem somos, e é tudo.

Perene flui a interminável hora
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele.

[Ricardo Reis]

 

Primavera de mil setecentos e setenta e quatro

No dia em que você me deu bombos tentando me expulsar do seu coração, pensei no quanto a ironia das circunstâncias pode ser planejada e no quanto acontece inconscientemente, sendo apenas parte da mente de quem a interpreta.Então decidi que não mais tentaria. Comeria os bombons como a gorda os comeu sem nem mesmo me dar um pedaço, daria um último beijo e faria o último sexo, como se realmente fossem os últimos atos de uma vida tão valiosa quanto qualquer outra vida, como se eu pudesse premeditar os sentidos e os sentimentos, como se eu fosse o último dos homens e o primeiro dos pais. Continuar lendo Colhendo o Dia

Leitura de recesso escolar: “Amor e Capital”, de Mary Gabriel

Gabriel, Mary. Amor e Capital: a saga familiar de Karl Marx e a história de uma revolução; tradução de Alexandre Barbosa de Souza. – Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

Quando comprei esse livro, há uns anos atrás, fui atraído pela ideia de conhecer sobre a vida de Karl Marx para além do político e pensador endeusado ou amaldiçoado de acordo com as lentes e filtros adotados.

Contudo, este não é um livro pura e simples sobre Karl Marx, e sim sobre sua família, sobre a história de um casal e sobretudo sobre as mulheres fortes e combativas que enfrentando barbaramente as adversidades da vida impostas pelo modo de produção e pelas relações sociais predominates no capitalismo fizeram história junto com Marx, mas na historiografia acabam sendo relegadas a segundo plano. Como diz a autora, num prefácio que dispensa maiores apresentações, e que transcrevo parte como um convite à leitura:

“A história da família Marx é tão rica que elucida também o desenvolvimento das ideias de Marx, uma vez que se desenrola sobre o pano de fundo do nascimento do capitalism moderno. O sistema capitalista do século XIX amadurece com as filhas de Marx. Ao final do século, as lutas que elas enfrentaram em nome dos trabalhadores já não pareciam as que o pai lutara em meados do século. As batalhas da época dele davam a impressão de ter sido relativamente amenas. As lutas do tempo de suas filhas se tornaram selvagens (…)

Ao escrever as biografias dos grandes homens de Roma e Atenas antes de sua morte em 120 d.C., Plutarco afirmou que a chave para entender esses homens não estava nas conquistas dos campos de batalha ou en seus triunfos públicos, mas em suas vidas pessoais, em seus personagens, até mesmo um gesto ou uma palavra. Acredito que através da história da família Marx, os leitores poderão entender melhor Marx, da forma como Plutarco sugere. Espero também que os leitores saiam desta leitura com admiração pelas mulheres da vida de Marx, que por causa da sociedade em que foram criadas acabaram assumindo papéis quase sempre secundários. Acredito que a coragem, a força e o brilhantismo dessas mulheres já permaneceram tempo demais na obscuridade. Sem elas não haveria Karl Marx, e sem Karl Marx o mundo não seria como nós o conhecemos”.

Vamos à leitura, pois!

[M.S.]

Policromático

Com teu sorriso o meu rosto cobre
passeando seus olhos cor de cobre
semeia sonho, sanha, simplicidade
magia e feitiço em meio à verdade
impulsos de sentimentos pulsantes
devoram pensamentos inebriantes

sons que voam tontos, livres, leves
cem frases soltas ao vento - breves
lembram a imagem em vão perdida
completam uma palavra - esquecida
experiência de ciência inconsciente
sempre aquiescente a inquieta mente

tons e sobretons ornam a sua face
de uma voz outra vez sem disfarce
apertando a si mesma num abraço
impõe seu caminho em cada passo
acordes que tange por onde passo.

[M.S.]