Sete marcas de chocolate são acusadas de exploração do trabalho escravo infantil

Do sítio Conexão Jornalismo, publicado em fevereiro de 2016.

http://www.conexaojornalismo.com.br/colunas/politica/geral/sete-marcas-de-chocolate-sao-acusadas-de-exploracao-do-trabalho-escravo-infantil-74-42583

*

O cacau, matéria prima do chocolate, é plantado há séculos em continentes como a América do Sul e África. Mas em alguns casos, especialmente no africano, mais precisamente na Costa do Marfim, o extrativismo tem se beneficiado da mão de obra do trabalho escravo infantil. São milhares de crianças exploradas por empresas internacionais que comercializam o desejado chocolate sem que seus consumidores se deem conta. Um processo já tramita na Justiça e nele sete empresas, entre elas a Nestlé, figuram como acusadas.

Em setembro de 2015, foi apresentada uma ação judicial (veja aqui) contra a Mars, a Nestlé e a Hershey alegando que estas estavam a enganar os consumidores que “sem querer” financiavam o negócio do trabalho escravo infantil do chocolate na África Ocidental.

Crianças entre os 11 e os 16 anos (por vezes até mais novas) são levadas e trancafiadas em plantações, isoladas, onde trabalham de 80 a 100 horas por semana. O documentário Slavery: A Global Investigation (Escravidão: Uma Investigação Global) entrevistou crianças que foram libertadas. Elas revelaram que frequentemente eram espancadas: davam murros e batiam com cintos e chicotes. “Os espancamentos eram uma parte da minha vida”, contou Aly Diabate, uma destas crianças libertadas. “Sempre que te carregavam com sacos [de grãos de cacau] e caías enquanto os transportavas, ninguém te ajudava. Em vez disso, batiam-te e batiam-te até que te levantasses de novo.”

Em 2001, a FDA queria aprovar uma legislação para a aplicação do selo “slave free” (sem trabalho escravo) nos rótulos das embalagens. Antes da legislação ser votada, a indústria do chocolate – incluindo a Nestlé, a Hershey e a Mars – usou o seu dinheiro para a parar, prometendo acabar com o trabalho escravo infantil das suas empresas até 2005. Este prazo tem sido repetidamente adiado, sendo de momento a meta até 2020. Enquanto isto, o número de crianças que trabalham na indústria do cacau aumentou 51% entre 2009 e 2014, segundo um relatório de julho de 2015 da Universidade Tulane.

Como uma das crianças libertadas disse: “Vocês desfrutam de algo que foi feito com o meu sofrimento. Trabalhei duro para eles, sem nenhum benefício. Quando comem o chocolate estão a comer a minha carne.”

As 7 marcas de chocolate que utilizam cacau proveniente de trabalho escravo infantil são:

Hershey
Mars
Nestlé
ADM Cocoa
Godiva
Fowler’s Chocolate
Kraft

Crianças são traficadas e levadas para zonas de extração
Crianças são traficadas e levadas para zonas de extração

O lado negro do chocolate

O documentário “O lado negro do chocolate”, do dinamarquês Miki Mistrati, revela este lado pouco falado sobre a guloseima mais popular do mundo. Na sua investigação, Miki chegou até Mali, na África Ocidental, onde, com câmaras ocultas, conseguiu revelar o tráfico de crianças para as plantações de cacau da vizinha Costa do Marfim.

A Costa do Marfim é o maior produtor mundial de cacau, correspondendo a cerca de 42% da produção. Empresas como a Nestlé, Barry Callebaut e Mars assinaram em 2001 o Protocolo do Cacau, comprometendo-se a erradicar totalmente o trabalho infantil no sector até 2008.

Será que o seu chocolate tem um gosto amargo?

Acompanhe Miki até à África para expor “O Lado Negro do Chocolate”:

Uma consideração sobre “Sete marcas de chocolate são acusadas de exploração do trabalho escravo infantil”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s