Carta aberta ao movimento sindical, à direção da Central Única dos Trabalhadores e às demais organizações dos trabalhadores

Do site da Central Sindical e Popular – Conlutas

http://cspconlutas.org.br/wp-content/uploads/2015/11/Carta-%C3%A0-CUT.pdf

*

São Paulo, 04 de novembro de 2.015.

 
À Direção Nacional da CUT

As recentes eleições sindicais no Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos de São Bernardo do Campo), no SISMMAR-PR (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maringá) e no Sinteps-SP (Sindicato dos Trabalhadores do Centro Paulo Souza) colocam em xeque os processos de eleições sindicais de sindicatos dirigidos pela CUT (Central Única dos Trabalhadores).

Foram eleições nas quais concorreram chapas da oposição apoiadas pela CSPConlutas, em processos que já beneficiam as chapas de situação, todas da CUT, com total controle do processo pela diretoria em término de mandato e com comissões eleitorais totalmente alinhadas com a chapa de situação.

A lisura dessas eleições está comprometida, por manobras cometidas pelos dirigentes cutistas dessas entidades, que não aceitam perder e não reconhecem a vitória de chapas de oposição, eleitas legitimamente pela base.

Após os resultados das eleições confirmarem a derrota das chapas de situação, nos casos de São Bernardo do Campo e de Maringá, as diretorias derrotadas e as comissões eleitorais, por elas controladas, fabricaram “fraudes” eleitorais que justificariam a anulação das eleições. Por quem? Pelas próprias comissões eleitorais que dirigiram a eleição e proclamaram os resultados apurados nas urnas.

Essas direções, que perderam o comando desses importantes sindicatos, por decisão dos trabalhadores, agora estão anulando as eleições, através das comissões eleitorais que controlam, mas que deveriam ter uma postura imparcial, o que configura um golpe contra a democracia no interior dos nossos sindicatos.

Sindserv

Em São Bernardo do Campo, nas eleições do Sindserv, venceu a Chapa 2, de oposição, apoiada pela CSP Conlutas, vitória essa reconhecida pela atual direção, em vídeo amplamente divulgado, do dia da apuração. No entanto, passados alguns dias, a comissão eleitoral, composta pela atual direção e indicada por membros da Chapa 1, ligados à CUT, anulou a eleição.

A Chapa 2 acionou a justiça para que esse processo de nulidade da eleição seja revertido. Há inclusive a denúncia, publicada no Diário do Grande ABC, de que o prefeito Luiz Marinho (PT), ex-presidente da CUT, tenha orientado o presidente do Sindserv, Giovani Chagas (PT), a reverter a derrota na eleição da entidade.

SISMMAR

No SISMMAR de Maringá, três chapas concorreram, sendo as chapas 1 e 3 de situação e apoiadas pela CUT, e a Chapa 2, de oposição, apoiada pela CSP-Conlutas. A apuração ficou dessa forma: Chapa 1: 808 votos; Chapa 2: 884 votos e Chapa 3: 903 votos. O Estatuto da entidade prevê segundo turno, entre as duas chapas mais votadas, quando nenhuma das chapas obtiver mais de 50%. Por isso, as chapas 2 e 3 iriam disputar o segundo turno. A chapa 1 não aceitou o resultado e, aproveitando-se da maioria que tem na comissão eleitoral, em nome próprio, anulou as eleições. A Chapa 2 continua com os encaminhamentos jurídicos, com o objetivo de manter o segundo turno da eleição, que foi legítima.

Sinteps

No Sinteps – Centro Paula Souza, depois de mais de 20 anos, essa foi a primeira vez em que concorrem duas chapas às eleições: a Chapa 1, da atual direção, ligada à CUT, e a Chapa 2, apoiada pela nossa Central, a CSP Conlutas.

A comissão eleitoral e a Chapa 1, composta por cutistas, não informaram os locais onde estariam as urnas, para que os fiscais da Chapa 2 pudessem participar do processo, entre diversas outras manobras que impediram a participação da chapa de oposição. Associados do sindicato, militantes e apoiadores da Chapa 2 foram agredidos por capangas contratados pela diretoria. A justiça foi acionada e uma liminar pode anular a eleição.

Defendemos a democracia e o respeito às decisões dos trabalhadores

A CSP-Conlutas defende a democracia sindical e repudia qualquer tentativa de golpe, manobra por parte de diretorias ou chapas que não aceitam perder.

As eleições devem ser democráticas, com paridade nas mesas de coleta e na fiscalização, com roteiros pré-determinados, acesso às listas de votantes com antecedência, enfim, com igualdade de condições na disputa.

Não é possível permitir o comportamento desses dirigentes cutistas, que jogam no lixo a liberdade e autonomia sindicais, ao desrespeitarem as bases e levarem à judicialização das eleições.

Denunciamos essas ações antissindicais e vamos lutar, junto aos trabalhadores, para combater golpes e manobras dessas direções.

A direção da CUT Nacional, especialmente, mas também as direções das demais centrais, deve explicações frente a esses fatos, afinal isso vem acontecendo em várias entidades sob seu controle.

Esse não é o método da democracia operária, por isso exigimos um posicionamento categórico que busque coibir e impedir essas fraudes e golpes; o vale-tudo que está tomando conta das eleições sindicais em nosso país. São práticas deploráveis que combatemos juntos no “novo sindicalismo” dos anos 80 contra a pelegada constituída durante a ditadura militar, e que não precisamos ver reeditadas por parte daqueles que as combateram.

Queremos democracia e respeito à base!

Secretaria Executiva Nacional da CSP-Conlutas – Central Sindical e Popular

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s