POR UM SINDSERV PARA OS SERVIDORES, INDEPENDENTE DE PARTIDOS E GOVERNOS

Por Anderson Nunes

Não podemos admitir que um Sindicato custeado pelos servidores, o qual arrecada milhões de reais por ano em contribuições, possa ser utilizado para defender interesses partidários que são estranhos aos interesses dos servidores.

A ligação da atual diretoria com a CUT e especialmente com o PT tem fragilizado o Sindserv nas negociações perante a prefeitura, pois existe de fato um constrangimento muito grande desta atual direção em ter um posicionamento mais enérgico em relação ao prefeito (que coincidentemente foi presidente da CUT e pertence ao PT) tanto é verdadeiro este constrangimento que o PCCS não avança mesmo com a atual diretoria estando a frente das negociações desde 2009.

Outro exemplo da falta de firmeza da atual diretoria em relação ao prefeito petista foram as negociações fracassadas durante a campanha salarial de 2015, o que acabou anulando os esforços de 22 dias de greve empreendidos pela categoria, pois além de não ter havido a reposição da correção inflacionária aos servidores, itens importantes da pauta de negociação como: Vale Refeição e Vale Transporte sequer foram negociados e estão no mesmo patamar de 2014 sendo corroídos pela elevada inflação deste ano.

Inclusive, a péssima negociação empreendida pela atual diretoria que aceitou passivamente a aplicação dos índices inflacionários acumulados entre 2015 e 2016 para Março de 2016 criou uma grande ameaça aos servidores: A possibilidade iminente de não haver o reajuste salarial em 2016, uma vez que a arrecadação do município tem sofrido sucessivas quedas diárias neste ano, pois há dias que entre a arrecadação prevista e a arrecadação realizada as quedas ultrapassam valores entre R$ 500 mil a R$ 1,2 milhão por dia.


Além do mais, o fato da negociação do reajuste de 2016 estar contida num projeto de Lei não é garantia para os servidores de que o reajuste será aplicado, vez que a nossa data-base determinada para o mês de Março também está prevista em lei e mesmo assim foi desrespeitada por esta administração que não é confiável.


Diante do cenário financeiro desfavorável das finanças públicas municipais, surgem muitas dúvidas se a prefeitura terá condições econômicas para honrar o acordo de reajuste em Março de 2016 ?


Pois se não houve condições financeiras para conceder um reajuste de 7% na data-base de 2015 como haverá condições para oferecer um reajuste de, no mínimo, 16% em Março de 2016 se a arrecadação do Município está em queda vertiginosa ?


Não podemos nos esquecer que em 2016 por ser ano eleitoral o prefeito irá priorizar os investimentos para a conclusão das inúmeras obras paradas na cidade a fim de tentar eleger seu sucessor e isso fará com que haja ainda menos recursos disponíveis para a concessão da reposição inflacionária ao funcionalismo.


Finalmente, para que o Sindserv consiga, de fato, sair do estado de letargia em que se encontra há muitos anos e possa “andar pra frente” é necessário primeiramente se libertar das amarras da CUT que prioriza mais os interesses partidários do que os da nossa categoria. Também é importantíssimo destacar que se o atual presidente do Sindserv (candidato à reeleição) vier a se tornar candidato a vereador pelo PT em 2016 (como é especulado nos bastidores) ele ficará ainda mais fragilizado numa negociação com o Marinho e isso será extremamente prejudicial aos interesses dos servidores.


Por isso, para podermos contar com um sindicato mais democrático, mais transparente na divulgação de suas demonstrações financeiras, mais independente em relação ao prefeito e que priorize os interesses dos servidores ao invés dos interesses partidários eu apoio e peço o voto dos meus colegas servidores para a Chapa 2 Oposição Unificada a qual tenho orgulho de fazer parte em prol da devolução do Sindicato aos servidores públicos de SBC.

*

Anderson Nunes da Silva é Servidor da SF e integrante da CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA, pelo Conselho Consultivo.

Sobre as mentiras que eles contam (e as verdades que tentam esconder)

Não sou obrigado. Sou? 
Meu perfil no face é privado, embora meus compartilhamentos sejam públicos, pois sou responsável por aquilo que escrevo. 

O perfil do Sindserv é de caráter público, e mesmo sendo sócio há mais de 16 anos, permaneço bloqueado para comentar nele, sendo impossibilitado de responder aos costumeiros achincalhes que os marinheiros reproduzem. 

Certa pessoa, que estava na minha lista, se queixou que a bloqueei, no entanto tb já no perfil dela bem antes eu estava bloqueado para fazer comentários e me defender das suas difamações. 

Outro cidadão, que gosta de posar de bom moço, mas nada tem de moço nem muito menos de bom, estes dias ficou indignado porque respondi em um grupo fechado do face a algumas calúnias que ele insistia em reproduzir – a indignação dele era de que eu, por não pertencer ao seu segmento, teria ferido as regras do grupo (!). Este mesmo cidadão se manifestou publicamente chocado com uma matéria tendeciosa publicada por uma mídia reconhecidamente ligada à CUT, mas sequer esboçou a mesma “indignação” quanto aos aposentados serem agredidos verbalmente por capangas do governo, que costumam ser contratados tb pela direção do sindicato em atos e assembleias para tentar intimidar os servidores. Aliás, o cidadão não mostrou a mesma indignação com a agressão sofrida por todos os servidores com a imposição do projeto marinheiro que acabou com o IMASF.

A chapa governista, que mudou o estatuto do sindicato na calada da noite e recolheu assinaturas até de quem não era filiado, proibiu filiados de participarem da assembleia da comissão eleitoral; essa mesma chapa, que acusa a oposição de ter apoio de pessoas que defenderam a proposta do governo para o estatuto da educação, omite que sua chapa é integrada por lideranças que estiveram na linha de frente da defesa do projeto marinheiro colhendo assinaturas de um abaixo assinado de forma assediosa para fazer impor a vontade do governo… A chapa em questão, que dirige o sindicato, fomentou e fomenta a divisão entre os servidores, favorecendo assim os golpes do governo contra os trabalhadores. 

Diante de calúnias reproduzidas em redes sociais e panfletos escritos, quando questiono as pessoas cujas fotos estão no panfleto se elas concordam com as calúnias, uma vez que as subscrevem ainda que indiretamente como apoiadoras, elas ficam indignadas com a minha pergunta e exigem respeito. 

E nós é que somos sectários? 

Não vou ficar respondendo calúnias para não dar mais ibope ao jogo sujo da chapa marinheira , mas não sou obrigado a manter na minha timeline nem nos grupos que administro no WhatsApp comentários e pessoas que ferem a dignidade pessoal de ninguém, muito menos a minha. 

Aceito o debate crítico, mas não ficarei inerte diante de condutas de moral duvidosa. 

E continuo na certeza de que seja qual for o resultado da votação da eleição do Sindserv, a Oposição Unificada é uma grande vitoriosa pois não se deixou abater nem entrou no jogo sujo da calúnia e de práticas antissindicais.

CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA: porque um sindicato plural e democrático se constrói na conduta ética,sem fugir ao debate crítico e sempre mantendo o respeito mesmo com aqueles com quem divergimos.