A DIREÇÃO DO SINDICATO NÃO QUER QUE VOCÊ VOTE! DÊ UM BASTA NO AUTORITARISMO, VÁ ATÉ A SEDE DO SINDSERV E EXERÇA O SEU DIREITO

TAPETÕES E CALÚNIAS MARCAM A CAMPANHA DA CHAPA GOVERNISTA

Os presidentes de mesa indicados pela comissão eleitoral que foi indicada pela chapa 1 não seguiram os roteiros das urnas, prejudicando a coleta de votos em dezenas de escolas. Eles não querem que você vote!

A CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA, faz um chamado a todas e todos: ainda é tempo de evitar o golpe nos trabalhadores e retomar o nosso Sindserv para o controle dos servidores públicos.

Para que isso aconteça, é preciso que você e seus colegas, que foram restringidos do direito ao voto,  se encaminhem até a sede do sindicato e votem! A urna estará disponível até as 19h30.

***
Em comunicados circulando em redes sociais, pessoas vinculadas à atual direção do sindicato/chapa 1 acusa falsamente os integrantes e apoiadores da  CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA de agir com truculência e tentar impedir a coleta de votos dos servidores.
Esta é mais uma das tantas calúnias de quem acusa parecendo olhar para um espelho, pois atribui a outros exatamente aquilo que ela faz.
A CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA tem feito o debate crítico e respeitoso, sem fazer uso de acusações falsas nem contra a chapa concorrente nem contra seus integrantes individualmente. Diga-se de passagem, inclusive sempre tomamos o cuidado de não tecer críticas às pessoas nominalmente, porque nossas discordâncias são de outra ordem.
Do lado de lá, porém, prevalece a política do vale-tudo para manter-se na direção do sindicato: calúnias, distorções de fatos, manobras para dificultar que os servidores exerçam seu direito de voto… e até contratar dezenas de seguranças para tentar intimidar os servidores públicos que ousam manifestar livremente suas ideias.
A cada calúnia publicada, a cada violência praticada por integrantes e apoiadores da chapa governista, mais convictos ficamos de que o Sindserv precisa de uma direção que respeite de fato as pessoas,  represente o conjunto dos servidores, organize as lutas necessárias e que estimule a unidade entre os trabalhadores dos diferentes setores e segmentos, e não o contrário, como a atual direção/chapa 1 faz.
Os presidentes de mesa indicados pela comissão eleitoral indicada pela chapa 1 durante os dois dias de eleição claramente dificultaram a coleta de votos nas escolas e em alguns postos, criando assim obstáculos para que centenas de servidores deixem de exercer livremente seu direito democrático de escolha da nova direção. Isto sim é um ato de extrema truculência, pois estraçalha o processo democrático e o direito individual de cada servidor.
A arrogância, o cinismo, e o desrespeito com os servidores são  tamanhos que, em e-mail encaminhado hoje, a chapa 1 afirma: “Queremos o voto de todos os sindicalizados, sim! Mas, queremos um voto consciente”.
O que seria voto consciente? Voto na chapa da situação? Será por isso que criaram tanta dificuldades para que os servidores da educação exerçam seu livre direito de voto? Se só os votos julgados “conscientes” são validados, então por que recolher votos entre aqueles que possuem outra consciência, não é mesmo?…
Não passarão desconhecidas da categoria as diversas manobras utilizadas pela direção/chapa 1!!! Com as essas manobras podem até levar essa eleição no tapetão, mas perderão – e muito: perderão o pouco respeito da categoria, a credibilidade já exígua, a dignidade já perdida há tempos, mas que poderia ao menos tentar ser resgatada, tivessem se proposto a fazer um processo eleitoral minimamente democrático e respeitoso.
 
Seja qual for o resultado da eleição, serão sempre vistos como a turma do vale-tudo, do jogo sujo, da prática da calúnia, da futrica e da mentira deslavada; a turma que usa o Sindserv para promoção da imagem pessoal, para promover divisionismos e ganhar votos fazendo mexericos, e que coloca em segundo plano os interesses coletivos dos trabalhadores, favorecendo em primeira e última instância o governo Marinho.
Muitas injustiças foram cometidas nesse processo eleitoral. Uma delas: prejudicar seu direito ao voto. Não deixe que a truculência, o autoritarismo e o vale-tudo vençam!

A CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA, faz um chamado a todas e todos: ainda é tempo de retomar o nosso Sindserv para o controle dos servidores públicos. Para que isso aconteça, é preciso que você e seus colegas, que foram restringidos do direito ao voto,  se encaminhem até a sede do sindicato e votem! A urna estará disponível até as 19h30.

 
Vamos juntos mudar a história!!!
 
CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA: NADA SERÁ COMO ANTES!

CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA NÃO ACEITARÁ “TAPETÃO” NAS ELEIÇÕES

Hoje teve início a coleta de votos para a eleição da nova diretoria do Sindserv SBC. Os votos estão sendo colhidos por meio de somente uma (1) urna fixa na sede do sindicato e 19 (dezenove) urnas itinerantes).
As urnas itinerantes deveriam seguir um roteiro predeterminado pela comissão eleitoral, no entanto, estamos observando que alguns presidentes de mesa (CUJA NOMEAÇÃO RESULTA DA INDICAÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL INDICADA PELA CHAPA 1), não estão seguindo a sequência dos roteiros; além disso, em alguns casos a urna tem ficado tempo demasiado em um local e tempo insuficiente em outro, o que, em primeiro lugar, atrasa a coleta de votos nos locais subsequentes e, em segundo lugar, dificulta a coleta de votos onde tem número elevado de associados – tais fatos podem comprometer gravemente o resultado da eleição em favorecimento à chapa da situação.
 
A CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA continua na luta para garantir que todos os sócios exerçam seu direito de voto e está pressionando também para que haja transparência na guarda das urnas, por meio da costumeira presença física de representantes das duas chapas na guarda das urnas, bem como da participação direta de representantes de ambas as chapas no escrutínio. Estas, entre outras, são condições básicas para a garantia do exercício da liberdade sindical.
Ainda assim, precisamos mais uma vez dos esforços de todos aqueles que desejam mudanças profundas em nosso sindicato. Caso a urna não chegue em seu local de trabalho até o final de seu expediente, vá até a sede do Sindserv e deposite seu voto pela CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA.
A urna no Sindserv está disponível até às 19h30min (rua Caetano Zanella, nº 90 – Ferrazópolis).
A sua participação direta é decisiva para garantir que os servidores retomem o controle do Sindserv, tornando-o plural, democrático e independente de partidos, governos e centrais sindicias pelegas e governistas.
Quem sabe faz  a hora, não espera acontecer!
A hora é agora – mudar o sindicato depende do seu voto!
                                                                                                    CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA

 

http://oposicaounificadasbc.blogspot.com.br/2015/09/oposicao-unificada-nao-aceitara-tapetao.html

 

 

 

Sobre as mentiras que eles contam (e as verdades que tentam esconder)

2015-09-19 17.52.45Não sou obrigado. Sou?

Meu perfil no face é privado, embora meus compartilhamentos sejam públicos, pois sou responsável por aquilo que escrevo.

O perfil do Sindserv é de caráter público, e mesmo sendo sócio há mais de 16 anos, permaneço bloqueado para comentar nele, sendo impossibilitado de responder aos costumeiros achincalhes que os marinheiros reproduzem.

Certa pessoa, que estava na minha lista, se queixou que a bloqueei, no entanto também já no perfil dela bem antes eu estava bloqueado para fazer comentários e me defender das suas difamações.

Outro cidadão, que gosta de posar de bom moço, mas nada tem de moço nem muito menos de bom, estes dias ficou indignado porque respondi em um grupo fechado do face a algumas calúnias que ele insistia em reproduzir – a indignação dele era de que eu, por não pertencer ao seu segmento, teria ferido as regras do grupo (!). Este mesmo cidadão se manifestou publicamente chocado com uma matéria tendenciosa publicada por uma mídia reconhecidamente ligada à CUT, mas sequer esboçou a mesma “indignação” quanto aos aposentados serem agredidos verbalmente por capangas do governo, que costumam ser contratados também pela direção do sindicato em atos e assembleias para tentar intimidar os servidores. Aliás, o cidadão não mostrou a mesma indignação com a agressão sofrida por todos os servidores com a imposição do projeto marinheiro que acabou com o IMASF.

A chapa governista, que mudou o estatuto do sindicato na calada da noite e recolheu assinaturas até de quem não era filiado, proibiu filiados de participarem da assembleia da comissão eleitoral; essa mesma chapa, que acusa a oposição de ter apoio de pessoas que defenderam a proposta do governo para o estatuto da educação, omite que sua chapa é integrada por lideranças que estiveram na linha de frente da defesa do projeto marinheiro colhendo assinaturas de um abaixo assinado de forma assediosa para fazer impor a vontade do governo… A chapa em questão, que dirige o sindicato, fomentou e fomenta a divisão entre os servidores, favorecendo assim os golpes do governo contra os trabalhadores.

Diante de calúnias reproduzidas em redes sociais e panfletos escritos, quando questiono as pessoas cujas fotos estão no panfleto se elas concordam com as calúnias, uma vez que as subscrevem ainda que indiretamente como apoiadoras, elas ficam indignadas com a minha pergunta e exigem respeito.

E nós é que somos sectários?

Não vou ficar respondendo calúnias para não dar mais ibope ao jogo sujo da chapa marinheira , mas não sou obrigado a manter na minha timeline nem nos grupos que administro no WhatsApp comentários e pessoas que ferem a dignidade pessoal de ninguém, muito menos a minha.

Aceito o debate crítico, mas não ficarei inerte diante de condutas de moral duvidosa.

E continuo na certeza de que seja qual for o resultado da votação da eleição do Sindserv, a Oposição Unificada é uma grande vitoriosa pois não se deixou abater nem entrou no jogo sujo da calúnia e de práticas antissindicais.

CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA: porque um sindicato plural e democrático se constrói na conduta ética,sem fugir ao debate crítico e sempre mantendo o respeito mesmo com aqueles com quem divergimos.

CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA: PROPOSTAS PARA UM SINDSERV DE LUTA, CLASSISTA, INDEPENDENTE, DEMOCRÁTICO E SOB CONTROLE DOS SERVIDORES

Slide1Eixo 1 – Condições econômicas e de trabalho

  • Lutar para que sejam repostas as perdas salariais acumuladas ao longo dos anos em diferentes governos, que deixaram de conceder ao menos a reposição da inflação.
  • Lutar pela garantia de reposição da inflação anual, conforme previsto na Constituição Federal.
  • Lutar pela realização de concurso público periódico para todos os cargos.
  • Lutar pela garantia de isonomia e equiparação salarial efetiva para cargos e funções correlatas.
  • Lutar pelo fim da terceirização no serviço público e, ENQUANTO ISSO NÃO OCORRE, atuar em parceria com os sindicatos que representam os trabalhadores terceirizados para garantir isonomia de direitos e de melhores condições de trabalho entre celetistas, estatutários e terceirizados.
  • Lutar pela garantia de transporte gratuito, ou reembolso no valor equivalente ao que é gasto, ao servidor que, em função do serviço, tenha de se locomover de sua unidade de lotação.
  • Combate a toda forma de opressão aos servidores, incluindo:

– Luta contra o assédio moral, na forma de ações formativas e mediações, sem prejuízo das medidas cabíveis (administrativas e jurídicas) junto à prefeitura;

– Luta por melhores condições de trabalho (reformas e adequações de espaços físicos para garantir ambientes salubres de trabalho, equipamentos de proteção individual, manutenção e substituição de veículos, viaturas e acessórios de trabalho etc).

  • Lutar por uma CIPA com autonomia e com atuação em parceria com o sindicato.
  • Organizar os servidores públicos da guarda civil para a construção de uma proposta da categoria de Estatuto da GCM.
  • Retomar a luta pela implementação do Estatuto dos Profissionais da educação construído pelos trabalhadores, buscando forma de reverter todos os prejuízos causados pelo estatuto imposto pelo governo.
  • Construção e luta por uma proposta dos servidores de Plano de Cargos, Carreiras e Salários.
  • Acompanhamento das ações das secretarias, com intervenções antecipadas do sindicato para evitar prejuízos aos servidores e, acima, de tudo, garantir a manutenção de direitos.
  • IMASF – incorporar a luta pela retomada do IMASF sob controle dos servidores e com qualidade de atendimento.
  • Lutar por uma SBCPREV voltada aos interesses previdenciários dos servidores e sob controle dos próprios: pelo fim dos cargos comissionados e altos salários.
  • Lutar pelo vale-transporte a todos os servidores.
  • Lutar pela revisão do valor do auxílio alimentação.
  • Preparação e planejamento da campanha salarial junto aos servidores, construindo a pauta de reivindicações de forma participativa e democrática, e buscando intervir na LDO.
  • Lutar pelo adicional de insalubridade para todos os servidores que, pela natureza da função, estejam expostos a situações de estresses e riscos de adoecimentos.
  • Lutar para que os servidores públicos que, pela natureza da função, lidem com situações de estresse e conflitos, tenham garantido acompanhamento psicológico frequente.
  • Lutar para que profissionais que fazem uso da voz como um dos principais instrumentos de trabalho tenham garantido o direito a sessões fonoaudiológicas e programas de prevenções a doenças da voz.
  • Incorporar a luta nacional pela aposentadoria especial para GCM.
  • Lutar pelo Adicional noturno aos profissionais que atuam a partir das 18h.
  • Lutar pela implementação da gratificação por local de exercício para os servidores que atuam em áreas distantes do centro e em áreas de risco.
  • Lutar para a efetivação sistemática da formação em serviço, com jornada formativa, para todos os servidores, buscando o aperfeiçoamento dos conhecimentos específicos e gerais necessários ao exercício da função, qualificação profissional e à melhoria do serviço público.
  • Lutar pela revisão do acordo coletivo de 2015, buscando a inclusão dos cerca de 200 aposentados que foram esquecidos pela atual direção.
  • Organizar setorialmente os servidores para encaminhar a luta em defesa de suas pautas específicas, articulando os demais segmentos para promover a solidariedade e a unidade entre o funcionalismo.

 

Eixo 2 – Organização sindical

  • Gestão democrática do Sindicato, com a participação ativa dos membros do Conselho Consultivo no planejamento, deliberações e na efetivação das ações.
  • Campanha permanente de filiação, com agilidade e transparência nos encaminhamentos de efetivação das filiações.
  • Transparência e democracia nas negociações.
  • A direção do sindicato deve ter papel de representação e de organização dos servidores públicos. Todas as decisões que dizem respeito ao conjunto dos servidores devem ser submetidas às instâncias deliberativas, sejam elas assembleias setoriais ou gerais, conforme cada caso.
  • Democracia e pluralidade nos meios de comunicação do Sindicato: garantia do direito de manifestação de pensamento e crítica de todos os servidores nos diversos meios de comunicação do Sindicato. Utilização dos meios de comunicação para o fim devido, isto é: comunicar as ações do sindicato, dar publicidade a ar todos os documentos de interesse dos servidores, inclusive o estatuto da entidade, ofícios e números de processo etc. Transparência, interatividade e garantia de acesso por parte dos servidores.
  • Transparência e publicidade dos gastos da entidade, construindo uma gestão financeira democrática, com a participação e acompanhamento efetivo dos membros do Conselho Fiscal.
  • Fim da truculência e tentativa de intimidação da direção contra servidores: nenhum servidor será ameaçado ou agredido direta ou indiretamente, sob nenhuma forma.
  • Implementação de cursos de formação sindical destinados a todos os servidores interessados, buscando aperfeiçoar os conhecimentos que favoreçam o desenvolvimento da consciência de classe e a participação crítica e ativa na vida sindical.
  • Debater de forma ampla e participativa, e deliberar coletivamente em assembleia, a proposta de desfiliação da CUT, devido ao seu aparelhamento governista e partidário.
  • Congresso dos servidores para mudança democrática e participativa do estatuto da entidade, com os seguintes indicativos:

– discussão e deliberação sobre central sindical – Uma central sindical deve ser livre de patrões e governos;

– ampla discussão com a categoria sobre o imposto sindical;

– horizontalização da direção do sindicato, na forma de direção colegiada, para que as responsabilidades sejam compartilhadas por todos e que não haja promoção da imagem pessoal de nenhum membro da direção. A promoção tem de ser da imagem do Sindicato, e não da imagem pessoal de ninguém!

– desatrelamento do Conselho Fiscal da chapa. O Conselho Fiscal deve ser eleito de forma independente da chapa;

– reestruturação dos conselhos consultivos, implementação do conselho ou comissão setorial de representantes de base eleitos.

 

POR UM SINDSERV PARA OS SERVIDORES, INDEPENDENTE DE PARTIDOS E GOVERNOS

Por Anderson Nunes

Não podemos admitir que um Sindicato custeado pelos servidores, o qual arrecada milhões de reais por ano em contribuições, possa ser utilizado para defender interesses partidários que são estranhos aos interesses dos servidores.

A ligação da atual diretoria com a CUT e especialmente com o PT tem fragilizado o Sindserv nas negociações perante a prefeitura, pois existe de fato um constrangimento muito grande desta atual direção em ter um posicionamento mais enérgico em relação ao prefeito (que coincidentemente foi presidente da CUT e pertence ao PT) tanto é verdadeiro este constrangimento que o PCCS não avança mesmo com a atual diretoria estando a frente das negociações desde 2009.

Outro exemplo da falta de firmeza da atual diretoria em relação ao prefeito petista foram as negociações fracassadas durante a campanha salarial de 2015, o que acabou anulando os esforços de 22 dias de greve empreendidos pela categoria, pois além de não ter havido a reposição da correção inflacionária aos servidores, itens importantes da pauta de negociação como: Vale Refeição e Vale Transporte sequer foram negociados e estão no mesmo patamar de 2014 sendo corroídos pela elevada inflação deste ano.

Inclusive, a péssima negociação empreendida pela atual diretoria que aceitou passivamente a aplicação dos índices inflacionários acumulados entre 2015 e 2016 para Março de 2016 criou uma grande ameaça aos servidores: A possibilidade iminente de não haver o reajuste salarial em 2016, uma vez que a arrecadação do município tem sofrido sucessivas quedas diárias neste ano, pois há dias que entre a arrecadação prevista e a arrecadação realizada as quedas ultrapassam valores entre R$ 500 mil a R$ 1,2 milhão por dia.


Além do mais, o fato da negociação do reajuste de 2016 estar contida num projeto de Lei não é garantia para os servidores de que o reajuste será aplicado, vez que a nossa data-base determinada para o mês de Março também está prevista em lei e mesmo assim foi desrespeitada por esta administração que não é confiável.


Diante do cenário financeiro desfavorável das finanças públicas municipais, surgem muitas dúvidas se a prefeitura terá condições econômicas para honrar o acordo de reajuste em Março de 2016 ?


Pois se não houve condições financeiras para conceder um reajuste de 7% na data-base de 2015 como haverá condições para oferecer um reajuste de, no mínimo, 16% em Março de 2016 se a arrecadação do Município está em queda vertiginosa ?


Não podemos nos esquecer que em 2016 por ser ano eleitoral o prefeito irá priorizar os investimentos para a conclusão das inúmeras obras paradas na cidade a fim de tentar eleger seu sucessor e isso fará com que haja ainda menos recursos disponíveis para a concessão da reposição inflacionária ao funcionalismo.


Finalmente, para que o Sindserv consiga, de fato, sair do estado de letargia em que se encontra há muitos anos e possa “andar pra frente” é necessário primeiramente se libertar das amarras da CUT que prioriza mais os interesses partidários do que os da nossa categoria. Também é importantíssimo destacar que se o atual presidente do Sindserv (candidato à reeleição) vier a se tornar candidato a vereador pelo PT em 2016 (como é especulado nos bastidores) ele ficará ainda mais fragilizado numa negociação com o Marinho e isso será extremamente prejudicial aos interesses dos servidores.


Por isso, para podermos contar com um sindicato mais democrático, mais transparente na divulgação de suas demonstrações financeiras, mais independente em relação ao prefeito e que priorize os interesses dos servidores ao invés dos interesses partidários eu apoio e peço o voto dos meus colegas servidores para a Chapa 2 Oposição Unificada a qual tenho orgulho de fazer parte em prol da devolução do Sindicato aos servidores públicos de SBC.

*

Anderson Nunes da Silva é Servidor da SF e integrante da CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA, pelo Conselho Consultivo.

Sobre as mentiras que eles contam (e as verdades que tentam esconder)

Não sou obrigado. Sou? 
Meu perfil no face é privado, embora meus compartilhamentos sejam públicos, pois sou responsável por aquilo que escrevo. 

O perfil do Sindserv é de caráter público, e mesmo sendo sócio há mais de 16 anos, permaneço bloqueado para comentar nele, sendo impossibilitado de responder aos costumeiros achincalhes que os marinheiros reproduzem. 

Certa pessoa, que estava na minha lista, se queixou que a bloqueei, no entanto tb já no perfil dela bem antes eu estava bloqueado para fazer comentários e me defender das suas difamações. 

Outro cidadão, que gosta de posar de bom moço, mas nada tem de moço nem muito menos de bom, estes dias ficou indignado porque respondi em um grupo fechado do face a algumas calúnias que ele insistia em reproduzir – a indignação dele era de que eu, por não pertencer ao seu segmento, teria ferido as regras do grupo (!). Este mesmo cidadão se manifestou publicamente chocado com uma matéria tendeciosa publicada por uma mídia reconhecidamente ligada à CUT, mas sequer esboçou a mesma “indignação” quanto aos aposentados serem agredidos verbalmente por capangas do governo, que costumam ser contratados tb pela direção do sindicato em atos e assembleias para tentar intimidar os servidores. Aliás, o cidadão não mostrou a mesma indignação com a agressão sofrida por todos os servidores com a imposição do projeto marinheiro que acabou com o IMASF.

A chapa governista, que mudou o estatuto do sindicato na calada da noite e recolheu assinaturas até de quem não era filiado, proibiu filiados de participarem da assembleia da comissão eleitoral; essa mesma chapa, que acusa a oposição de ter apoio de pessoas que defenderam a proposta do governo para o estatuto da educação, omite que sua chapa é integrada por lideranças que estiveram na linha de frente da defesa do projeto marinheiro colhendo assinaturas de um abaixo assinado de forma assediosa para fazer impor a vontade do governo… A chapa em questão, que dirige o sindicato, fomentou e fomenta a divisão entre os servidores, favorecendo assim os golpes do governo contra os trabalhadores. 

Diante de calúnias reproduzidas em redes sociais e panfletos escritos, quando questiono as pessoas cujas fotos estão no panfleto se elas concordam com as calúnias, uma vez que as subscrevem ainda que indiretamente como apoiadoras, elas ficam indignadas com a minha pergunta e exigem respeito. 

E nós é que somos sectários? 

Não vou ficar respondendo calúnias para não dar mais ibope ao jogo sujo da chapa marinheira , mas não sou obrigado a manter na minha timeline nem nos grupos que administro no WhatsApp comentários e pessoas que ferem a dignidade pessoal de ninguém, muito menos a minha. 

Aceito o debate crítico, mas não ficarei inerte diante de condutas de moral duvidosa. 

E continuo na certeza de que seja qual for o resultado da votação da eleição do Sindserv, a Oposição Unificada é uma grande vitoriosa pois não se deixou abater nem entrou no jogo sujo da calúnia e de práticas antissindicais.

CHAPA 2 – OPOSIÇÃO UNIFICADA: porque um sindicato plural e democrático se constrói na conduta ética,sem fugir ao debate crítico e sempre mantendo o respeito mesmo com aqueles com quem divergimos.