Caverna da Pedra Lascada, janeiro de 2011

Foto: ReutersMulher grávida participa da comemoração do 35º aniversário da Revolução dos Cravos, em Lisboa, neste sábado (25). Em 1974, a revolução levou ao fim a ditadura então encabeçada por Marcelo Caetano. (Foto: Reuters)

Em minha modesta visão particular, o ano novo começa para cada pessoa em sua data de nascimento, por motivos que julgo óbvios; mas como dizem que o óbvio precisa ser dito, justifico: é na data de nascimento que completa-se mais um ano na vida de cada um – portanto: ano novo. O meu será no próximo mês, se tudo der certo e nenhum contratempo interromper meu percurso. Isso tudo considerando, é claro, o nosso calendário gregoriano, adotado na maior parte dos países do mundo e, se não me enganaram com informações incorretas, em todos os países ocidentais. Então, por convenções políticas, sociais e culturais das quais não tenho conhecimento, mas apenas vagas suposições, eis que este é oficialmente nosso primeiro dia do ano, que eu chamaria de ano social, por ser transversal ao tempo de vida de cada um.

Eis que o simbólico início de ano também foi marcado pela concreta e simbólica posse da presidente Dilma que proferiu seus cerca de quarenta e cinco minutos de discurso à nação – discurso, aliás, carregado de termos vinculados à ideia de pós-modernismo (como a expressão sociedade do conhecimento e da tecnologia, usada em um dos momentos).

Nenhuma novidade à vista, pensei. Compromisso com o mercado, aliança com a burguesia, manutenção do status quo. No plano do necessário combate à miséria, evidenciou-se o que compreende por superação da mesma: a elevação dos pobres à classe média. Neste ponto, pensei: então é esse o grande sonho do brasileiro: tornar-se classe média??? Mas e a exploração do trabalho, a mais-valia expropriada à custo do suor do trabalhador, o que se pretende fazer pra acabar? Nenhuma palavra sobre isso… O sonho do brasileiro, segundo o discurso da presidente, é tornar-se capitalista, isto é, passar da condição de explorado à condição de explorador. E talvez seja mesmo, porque o que vejo de pessoas dizendo que se ganharem na loteria  – vão abrir um negócio, construir uma fábrica, comprar uma latifúndio, passar de empregado à patrão, ser empreendedor – para usar uma das palavras da nossa presidente -, não está escrito nos gibis!

Não dá para esperar muito mais de um discurso de posse de um partido que aderiu à ideia da conciliação de classes, como apontou o jornalista José Arbex Júnior na última edição da Caros Amigos.

Não que eu seja adepto do quanto pior melhor, mas há um discurso hegemônico extremamente prejudicial em voga, que é o da adesão ao status quo, o da aceitação deste como universal, natural e eterno, que o caminho da paz é o caminho da aceitação de que a vida é assim mesmo, que sempre foi e que sempre será assim: de um lado, os explorados; de outro, os exploradores, mas que ambos – ricos e pobres – possuem o mesmo objetivo e são todos iguais, igualíssimos, em direitos, em deveres etc.

Assim, ao invés do investimento maciço no ensino público, o que se aponta no horizonte é a extensão de mecanismo semelhante ao Pró-Uni no ensino médio, isto é: mais dinheiro público na iniciativa privada.

Não sem razão, muitas pessoas dizem: mas se não tivesse o Pró-Uni, muitos pobres não teriam condição de frequentar uma faculdade. Sim, concordo, o Pró-Uni – assim como outros mecanismos da chamada política de compensação – realmente tem esse mérito e, a rigor, não sou contra sua existência enquanto elemento paliativo e provisório, mas sou radicalmente contra esse tipo de mecanismo como política permanente, justamente porque faz uma inversão nos valores e no papel de um Estado que se quer comprometido com os valores republicanos e com a superação da exploração social.

Em resumo: ao invés de construir um Estado sólido, mantenedor de educação pública de qualidade, delega a responsabilidade com a educação ao capital privado – e o capital, isso não é segredo nenhum, não está comprometido com o bem-estar social, com a superação da miséria, do analfabetismo, ou com a qualidade da educação, a elevação da consciência e da cultura dos trabalhadores; compromete-se, isso sim, com a maximização dos lucros, e neste sentido transforma tudo e a todos em mercadoria (o discurso da qualidade, em si, nas bocas do capital, já é uma mercadoria).

Por que então insistir em mecanismos de expansão e universalização do ensino que delegam ao capital a responsabilidade com a educação dos trabalhadores? Por que não se estabelecer mecanismos de investimento público no ensino público, de valorização do ensino público e de responsabilidade social pública?

“Loucura!” – vão dizer… “É mais rápido e eficaz aplicar dinheiro público na iniciativa privada, as escolas já estão lá, os professores já estão lá, as carteiras vazias e vagas ociosas lá estão, à espera de mais”… (alunos? Não! Clientes!). 

É difícil mesmo pensar que poderia ser diferente quando, à falta de reflexão, aderimos ao hegemônico e fácil discurso fatalista de que assim são e sempre serão as coisas, simplesmente porque têm de ser! Afinal, em que mundo estamos? O Muro não caiu? A história não chegou ao fim???

Não, não chegou ao fim. Como o velho alemão, continuo acreditando que os homens fazem a sua história, embora não a fazem como querem, mas sim a partir das cirscunstâncias que lhe são transmitidas e legadas pelo passado.

Do ano que se inicia, desnecessário seria dizer que muito esperamos. Objetivos, sonhos e muitas promessas novas e velhas a serem cumpridas (qual é a palavra bastante utilizada nessa época mesmo?… Ahhh, sim, propósitos!!!).  “Meu própósito para o próximo ano é emagrecer”, dizem (o meu não, claro!  Quem não me conhece que me compre! Porque se eu emagrecer…). Enfim, cada um com seus propósitos que, bem pensando, são expressões muito adequadas, pois referem-se ao que cada pessoa se propõe a realizar. Quer dizer, quando alguém diz que seu propósito para o próximo ano é parar de fumar, ela está dizendo mesmo é que se propõe a tentar parar de fumar. Mas isso todo mundo sabia, menos eu.

No mais, que o ano novo seja um ano bom a todos, ou na impossibilidade, que pelo menos traga mais alegrias do que decepções e, acima de tudo, tenha mais solidariedade e menos competição!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s